Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Brasil
Caminhoneiros elogiam acordo e dizem que "assunto está resolvido"

Serão necessários de oito a dez dias para o abastecimento voltar ao normal.

Segunda, 28/5/2018 8:11.
O Tempo/Folhapress.

Publicidade

DANIEL CARVALHO, TALITA FERNANDES E MARIANA CARNEIRO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Uma das principais lideranças do movimento dos caminhoneiros, o presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), José da Fonseca Lopes, afirmou que, com o acordo firmado com o governo neste domingo (27), o "assunto está resolvido".

"Eu acho que o assunto está definido. O caminhoneiro está antenado, ele também quer sair desse movimento agora, porque já faz sete ou oito dias", disse.

"O caminhoneiro agora só tem que agradecer isso aí, no bom sentido, e continuar a vida dele."

Na noite deste domingo, o presidente Michel Temer (MDB) ampliou a lista de concessões aos caminhoneiros. Foram divulgadas cinco medidas para atender as demandas da categoria.

Fonseca afirmou que a desmobilização nas estradas começaria tão logo fossem publicadas as medidas provisórias prometidas pelo governo.

"Eles [os caminhoneiros] só vão aceitar após saírem publicadas no Diário Oficial as medidas que foram negociadas", disse. "Pelo que a gente viu, já estão começando a trabalhar imediatamente para amanhã de manhã a gente já entrar no Diário Oficial e já achar essas medidas provisórias para a gente se precisar convocar".

O governo publicou edição extra do Diário Oficial com as medidas, pouco antes da meia-noite deste domingo (27).

Se cumprida a orientação das lideranças, ainda serão necessários de oito a dez dias para o abastecimento voltar ao normal, segundo os caminhoneiros.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
O Tempo/Folhapress.

Caminhoneiros elogiam acordo e dizem que "assunto está resolvido"

Serão necessários de oito a dez dias para o abastecimento voltar ao normal.

Publicidade

Segunda, 28/5/2018 8:11.

DANIEL CARVALHO, TALITA FERNANDES E MARIANA CARNEIRO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Uma das principais lideranças do movimento dos caminhoneiros, o presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), José da Fonseca Lopes, afirmou que, com o acordo firmado com o governo neste domingo (27), o "assunto está resolvido".

"Eu acho que o assunto está definido. O caminhoneiro está antenado, ele também quer sair desse movimento agora, porque já faz sete ou oito dias", disse.

"O caminhoneiro agora só tem que agradecer isso aí, no bom sentido, e continuar a vida dele."

Na noite deste domingo, o presidente Michel Temer (MDB) ampliou a lista de concessões aos caminhoneiros. Foram divulgadas cinco medidas para atender as demandas da categoria.

Fonseca afirmou que a desmobilização nas estradas começaria tão logo fossem publicadas as medidas provisórias prometidas pelo governo.

"Eles [os caminhoneiros] só vão aceitar após saírem publicadas no Diário Oficial as medidas que foram negociadas", disse. "Pelo que a gente viu, já estão começando a trabalhar imediatamente para amanhã de manhã a gente já entrar no Diário Oficial e já achar essas medidas provisórias para a gente se precisar convocar".

O governo publicou edição extra do Diário Oficial com as medidas, pouco antes da meia-noite deste domingo (27).

Se cumprida a orientação das lideranças, ainda serão necessários de oito a dez dias para o abastecimento voltar ao normal, segundo os caminhoneiros.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade