Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Brasil
Com voos cancelados, passageiros se dividem entre transtorno e apoio à greve

Sexta, 25/5/2018 13:35.
Rovena Rosa/Agência Brasil

Publicidade

NATÁLIA CANCIAN /(FOLHAPRESS)

"Está todo mundo adepto à causa. Alguém tem que se lascar para as coisas melhorarem", afirmava o atleta José Eriberto Medeiros, 34, enquanto aguardava em uma longa fila à frente da área de check-in da Gol, no aeroporto de Brasília.

Por volta das 11h desta sexta-feira (25), ao menos cinco voos que partiriam de Brasília já tinham sido cancelados por falta de combustível no aeroporto devido ao quinto dia da paralisação dos caminhoneiros.

Outros quatro voos, que pousariam em Brasília, também não chegaram a sair do local de origem.

Segundo a Inframérica, concessionária que administra o aeroporto, sem a entrada de novos caminhões de combustível, todas as reservas de querosene de aviação se esgotaram na manhã desta sexta. Com isso, aeronaves que pousarem no aeroporto e precisarem de combustível devem ficar em solo.

Afetados pelos cancelamentos, passageiros se dividiam entre a tentativa de administrar o transtorno e o apoio à greve contra o preço dos combustíveis.

Com competição de ciclismomarcadaem Teresina no domingo, Medeiros aguardava por informações. "É um transtorno, mas são coisas que temos que passar para tudo melhorar", dizia.

"Eu tinha compromisso em Teresina e precisava estar lá. Apoiamos os caminhoneiros, mas os governantes é que estão pisando na bola", dizia o comerciante Claudionou Antonio de Souza, 47, enquanto esperava uma resposta da companhia sobre o voo que relocaria a maior parte dos passageiros.

Para ele, a viagem havia começado mais cedo, assim que saiu às 4h, de Guarulhos. Acabou parando no meio do caminho. "Estão falando que vamos embarcar só amanhã à tarde, e isso talvez, se chegar combustível", conta. "Deveriam ter nos avisado", diz.

A falta de respostas também causou transtornos para a jornalista Viviana Braga, 31. "Me deram a opção de ir amanhã às 16h30, mas não tenho como esperar", relata. "Estamos pagando a conta da falta de mobilização que sempre existiu em relação a esse tipo de problema", diz, referindo-se ao preço dos combustíveis.

Segundo o diretor de operações do aeroporto de Brasília, Juan Horacion Djedjeian, a tendência é que o número de voos cancelados aumente ao longo desta sexta-feira.

"Quando começou a greve, fizemos um plano de contingenciamento para o consumo de combustível ser o menor possível. Mas a reserva acabou", afirma.

De acordo com ele, a concessionária está em contato com o governo para analisar que medidas podem ser tomadas. Até lá, ainda não há previsão de regularização do estoque.

Ele orienta que passageiros que tiverem voos marcados busquem informações com as companhias aéreas.

Para Erivelton Viana, 42, o cancelamento não causou surpresa. Motorista e vereador, ele se preparava para voltar ao Maranhão após participar da Marcha dos Prefeitos, que ocorreu na capital.

"Já estávamos sob o aviso de que o Brasil estava parando por falta de combustível. Está tendo incomodação, mas sou a favor da causa", afirma.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Rovena Rosa/Agência Brasil

Com voos cancelados, passageiros se dividem entre transtorno e apoio à greve

Publicidade

Sexta, 25/5/2018 13:35.

NATÁLIA CANCIAN /(FOLHAPRESS)

"Está todo mundo adepto à causa. Alguém tem que se lascar para as coisas melhorarem", afirmava o atleta José Eriberto Medeiros, 34, enquanto aguardava em uma longa fila à frente da área de check-in da Gol, no aeroporto de Brasília.

Por volta das 11h desta sexta-feira (25), ao menos cinco voos que partiriam de Brasília já tinham sido cancelados por falta de combustível no aeroporto devido ao quinto dia da paralisação dos caminhoneiros.

Outros quatro voos, que pousariam em Brasília, também não chegaram a sair do local de origem.

Segundo a Inframérica, concessionária que administra o aeroporto, sem a entrada de novos caminhões de combustível, todas as reservas de querosene de aviação se esgotaram na manhã desta sexta. Com isso, aeronaves que pousarem no aeroporto e precisarem de combustível devem ficar em solo.

Afetados pelos cancelamentos, passageiros se dividiam entre a tentativa de administrar o transtorno e o apoio à greve contra o preço dos combustíveis.

Com competição de ciclismomarcadaem Teresina no domingo, Medeiros aguardava por informações. "É um transtorno, mas são coisas que temos que passar para tudo melhorar", dizia.

"Eu tinha compromisso em Teresina e precisava estar lá. Apoiamos os caminhoneiros, mas os governantes é que estão pisando na bola", dizia o comerciante Claudionou Antonio de Souza, 47, enquanto esperava uma resposta da companhia sobre o voo que relocaria a maior parte dos passageiros.

Para ele, a viagem havia começado mais cedo, assim que saiu às 4h, de Guarulhos. Acabou parando no meio do caminho. "Estão falando que vamos embarcar só amanhã à tarde, e isso talvez, se chegar combustível", conta. "Deveriam ter nos avisado", diz.

A falta de respostas também causou transtornos para a jornalista Viviana Braga, 31. "Me deram a opção de ir amanhã às 16h30, mas não tenho como esperar", relata. "Estamos pagando a conta da falta de mobilização que sempre existiu em relação a esse tipo de problema", diz, referindo-se ao preço dos combustíveis.

Segundo o diretor de operações do aeroporto de Brasília, Juan Horacion Djedjeian, a tendência é que o número de voos cancelados aumente ao longo desta sexta-feira.

"Quando começou a greve, fizemos um plano de contingenciamento para o consumo de combustível ser o menor possível. Mas a reserva acabou", afirma.

De acordo com ele, a concessionária está em contato com o governo para analisar que medidas podem ser tomadas. Até lá, ainda não há previsão de regularização do estoque.

Ele orienta que passageiros que tiverem voos marcados busquem informações com as companhias aéreas.

Para Erivelton Viana, 42, o cancelamento não causou surpresa. Motorista e vereador, ele se preparava para voltar ao Maranhão após participar da Marcha dos Prefeitos, que ocorreu na capital.

"Já estávamos sob o aviso de que o Brasil estava parando por falta de combustível. Está tendo incomodação, mas sou a favor da causa", afirma.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade