Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Carro quebrado e discursos políticos marcam 1º dia da Sapucaí

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Brazil Photo Press/Folhapress.
O prefeito do Rio foi
O prefeito do Rio foi "homenageado".

Segunda, 12/2/2018 9:00.

ISABELLA MENON
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A primeira noite de desfiles na Sapucaí teve carro alegórico emperrado na avenida, imagem do prefeito do Rio enforcado e do presidente em trajes de vampiro.

Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade.

As duas primeiras investiram em forte discurso político e fizeram sucesso com o público.

Como esperado e muito falado, a Mangueira fez o desfile de oposição ao atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que cortou verbas das escolas de samba e de festas de rua do Rio.

Com ares de campeã, a Mangueira saiu da Sapucaí ovacionada pelo público. Os diretores comemoraram o resultado. "Estou muito emocionado. Foi tudo impecável. Só quem é Mangueira sabe como eu estou me sentindo", comemorou, com águas nos olhos, o intérprete Leandro Santos.

O carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, avaliou a resposta das arquibancadas como se a população mostrasse estar alinhada com as críticas ao prefeito Marcelo Crivella, explícita no enredo da escola desse ano. Mas ele emendou: "mais do que críticas, fizemos uma grande brincadeira. Isso nós sabemos fazer bem."

Leandro se disse satisfeito com o resultado das alegorias e a evolução das alas, mas confessou que passou nervoso com o risco dos carros alegóricos quebrarem. "Sempre a gente passa este nervoso. Mas tudo que foi super bem e a resposta foi a arquibancada cantando com a gente".

Na mesma linha da Mangueira, o Paraíso do Tuiuti também seguiu na linha de críticas à política. Os temas variaram de racismo e escravidão a leis trabalhistas.

A escola optou por samba-enredo contagiante e fantasias alegres para tratar de temas não tão fáceis de serem compreendidos pelo público.

O presidente Michel Temer (MDB) foi representado como um vampiro no último carro alegórico.

Última escola a desfilar, a Mocidade conseguiu manter a plateia animada até o raiar do sol com um desfile bonito e um bom samba, lindamente executado pela bateria. O enredo falava sobre pontos em comum entre as culturas de Brasil e Índia.

A apuração da vencedora será na quarta-feira (14).

CRIVELLA SAIU DO PAÍS

Assunto mais polêmico deste Carnaval, a relação entre o prefeito e a folia continua distante. Ensaiando uma aproximação com a comunidade do samba, Crivella chegou a dizer que iria à Sapucaí, "mas não para sambar".

No entanto, acabou indo viajar. Na sua conta pessoal do Facebook, Crivella justificou sua ausência com uma viagem a Frankfurt, na Alemanha, para conhecer uma agência espacial a fim de reforçar o Centro de Operações do Rio (COR) para cada vez mais oferecer um serviço mais conectado e presente no dia a dia carioca.

O prefeito foi acusado pela comunidade carnavalesca de perseguir a festa num aceno ao seu eleitorado. O maior evento popular do país viu minguar os subsídios dados pela prefeitura nesta edição -cada escola do grupo especial recebia R$ 2 milhões do município. Crivella reduziu pela metade os repasses.

Em 2017, ele tampouco compareceu ao Sambódromo, rompendo com uma tradição.

ACIDENTE

A noite deste domingo (11) também foi marcada pela quebra do carro da Grande Rio. Ao enroscar no lado direito, o carro ficou preso no meio fio da rua, o que impossibilitou a sua entrada na avenida.

O problema pode custar caro à escola que estourou cinco minutos do tempo permitido -o máximo de permanência é de 75 minutos. Cada minuto a mais significa 0,1 ponto a menos à escola, segundo o regulamento da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba).

Apesar do ocorrido, o diretor de Carnaval da Grande Rio, Dudu Azevedo, fez questão de ressaltar que os foliões fizeram um "belíssimo" desfile e que "essas coisas acontecem".

Assim como o presidente da agremiação que deixou a Praça da Apoteose com lágrimas nos olhos, dizendo que "esse ano papai do céu não quis, o diretor atribuiu a falha ao destino e não admitiu erros técnicos ou humanos. "Não sabemos ainda o que houve. Não podemos fazer nada sobre isso agora."

A primeira noite de desfiles também recebeu as escolas de samba Império Serrano, São Clemente, Vila Isabel, Paraíso Tuiuti, Grande Rio, Mangueira e Mocidade.

PROBLEMAS MÉDICOS

Uma mulher morreu na primeira noite dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. Aos 63 anos, a senhora, que tinha problemas cardíacos, sofreu um mal súbito e foi atendida no posto de saúde da Sapucaí e levada, às pressas, ao Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ela não resistiu e morreu.

Até as 4h desta segunda-feira (12), 573 pessoas foram ao posto de saúde do sambódromo e 15 foram levadas ao hospital.

O coordenador técnico da Secretaria da saúde, Geraldo Alves da Silva, afirmou que, mesmo sem a confirmação de dados específicos, há uma percepção geral de que há mais pessoas passando mal esse ano do que nos anteriores.

"Já vi anos em que o clima estava mais quente, mas não havia tanta gente caindo como agora". Ele atribuiu a falta recursos das escolas para esse aumento. "Faltou a estrutura de apoio: água, sanduíches, especialmente nas escolas mais carentes." 

Primeira noite teve público apático
JULIANNA GRANJEIA E BERNARDO MOURA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A primeira noite de desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro na Sapucaí, neste domingo (11), foi marcada por um público apático nas arquibancadas e camarotes não tão prestigiados por famosos quanto nos anos anteriores.

Único político a comparecer na avenida, o senador Romário aproveitou a passagem pelo camarote da Itaipava para criticar o prefeito do Rio, Marcelo Crivella.

"Ele foi eleito pelo povo e tem que ir onde o povo está. Ele é um babaca, um merda", afirmou o pré-candidato ao governo do Rio pelo Podemos.

A rainha do espaço Itaipava foi a cantora Pablo Vittar, que vai estrear na Sapucaí desfilando pela Beija Flor na segunda.

"É a realização de um sonho de infância. Sempre acompanhei pela TV quando eu era criança lá no Maranhão. Minha mãe é torcedora da Mocidade e pedi pra ela me ver na Beija-flor", contou Pablo.

Entre as celebridades que passaram pelo camarote Nº 1, Mariana Ximenes, que desfilou pela Mangueira, Ísis Valverde, que foi rainha do baile do Copacabana Palace, e André Marques, que bate ponto nos camarotes da passarela há pelo menos 25 anos.

No estreante camarote Wood's, quem monopolizou a atenção foi a atriz Larissa Manoela, também pela primeira vez na Sapucaí.
"Sempre acompanhei pela televisão, mas não fazia ideia de como era ao vivo. É uma sensação muito boa", disse a atriz.

VALESCA POPOZUDA

Inspirada pelo lema que se popularizou neste Carnaval, a cantora Valesca Popozuda disse que a frase "não é não" estará presente no seu novo clipe que será lançado após o Carnaval.

O clipe de "Desce o Gim" foi gravado na Vila Mimosa -tradicional zona de prostituição no Rio de Janeiro. Nele, Valesca aparece com uma tatuagem onde se lê "Não é não".

O lema se popularizou entre as mulheres em reação aos assédios sofridos, principalmente nos blocos de carnaval país afora.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade