Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Trabalhador poderá sacar todo o saldo de contas inativas do FGTS, diz Temer

Quinta, 22/12/2016 10:53.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer afirmou na manhã desta quinta-feira (22) que os trabalhadores poderão sacar recursos integrais de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantida do Tempo de Serviço).

De acordo com Temer, que participou de café da manhã com jornalistas em Brasília, cerca de 86% das contas inativas do FGTS têm saldo inferior a uma salário mínimo, ou R$ 880. Por isso, acrescentou ele, a retirada desses recursos não coloca em risco a solidez do FGTS.

O presidente disse ainda que a medida permitirá que 10,2 milhões de trabalhadores com contas inativas em 31 de dezembro de 2015 saquem seu saldo do FGTS. Antes, só era possível movimentar os recursos se ficassem três anos desempregados.

Com potencial para injetar R$ 30 bilhões na economia, a medida é mais uma tentativa do governo de estimular o setor econômico, que está em recessão desde 2015 e ainda não deu sinais consistentes de recuperação.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Trabalhador poderá sacar todo o saldo de contas inativas do FGTS, diz Temer

Quinta, 22/12/2016 10:53.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Michel Temer afirmou na manhã desta quinta-feira (22) que os trabalhadores poderão sacar recursos integrais de contas inativas do FGTS (Fundo de Garantida do Tempo de Serviço).

De acordo com Temer, que participou de café da manhã com jornalistas em Brasília, cerca de 86% das contas inativas do FGTS têm saldo inferior a uma salário mínimo, ou R$ 880. Por isso, acrescentou ele, a retirada desses recursos não coloca em risco a solidez do FGTS.

O presidente disse ainda que a medida permitirá que 10,2 milhões de trabalhadores com contas inativas em 31 de dezembro de 2015 saquem seu saldo do FGTS. Antes, só era possível movimentar os recursos se ficassem três anos desempregados.

Com potencial para injetar R$ 30 bilhões na economia, a medida é mais uma tentativa do governo de estimular o setor econômico, que está em recessão desde 2015 e ainda não deu sinais consistentes de recuperação.

Publicidade

Publicidade