Big Wheel é inaugurada em Balneário Camboriú após 21 anos do último grande equipamento turístico

Renata Rutes
A roda gigante de Balneário – Big Wheel – que abre ao público nesta sexta-feira (11), chega 21 anos depois da inauguração do Parque Unipraias, em agosto de 1999, precedido pelo Cristo Luz, em outubro de 1997, e pela reurbanização da Avenida Atlântica, em 1991 – três grandes obras que reforçaram Balneário Camboriú como a capital do turismo catarinense.

Desde então, a cidade recebeu a Marina Tedesco, o Terminal Portuário Barra Sul que trouxe os transatlânticos e o Oceanic Aquarium, que também auxiliaram no desenvolvimento – mas todos esses ficam na Barra Sul.

Agora, os sócios Erondi Roveda, Cícero e Ricardo Fiedler, apresentam a Big Wheel, a maior roda-gigante estaiada da América Latina, que pretende renovar o Pontal Norte, valorizado ainda pelo novo molhe, prometendo ser mais um marco para o turismo balneocamboriuense.,

O novo atrativo entra em funcionamento nesta sexta-feira, com horário das 9h às 21h.
A inauguração, nesta quinta-feira às 20h, será marcada por uma live, com a banda Jota Quest, via YouTube.
,,Visão desde a Big Wheel
A Big Wheel vista das areias da praia central
..

A IDEIA

Início projeto

O empresário e sócio da Big Wheel, Cícero Fiedler, lembra que a ideia que originou a roda-gigante de Balneário surgiu em junho de 2012, em uma viagem com a namorada, atual esposa, de onde voltou com a ideia de trazer uma roda-gigante para o Brasil.

“Naquele mesmo ano, em novembro, já voltei para a Inglaterra para visitar fornecedores, projetistas, e fomos desenvolvendo a ideia”, conta.

Outro diferencial do projeto era que inicialmente a Big Wheel seria instalada na Barra Sul, próximo do molhe, no entanto, a ideia não evoluiu e os sócios perceberam que o ‘cenário ideal’ seria partir para uma área privada e não uma área pública, como seria se a roda fosse construída na Barra Sul.

“Nos primeiros meses decidi com o meu irmão Ricardo que Balneário Camboriú seria o local ideal, mesmo que na época não fizesse tanto sentido como faz hoje, mas conseguimos ver que a explosão do turismo aconteceria, e decidimos investir na nossa própria casa”, diz.

Cabine Big Wheel
TV integrada na cabine
Cabine Big Wheel vista de outra cabine
As cabines

A ORIGEM

Quando Cícero e seu irmão e sócio Ricardo decidiram que teriam que partir para uma área privada, sem problemas burocráticos ou uma licitação, começaram a buscar o local ideal.

“Foi uma dificuldade enorme, principalmente porque Balneário Camboriú possui um dos metro-quadrados mais caros do Brasil; até que conhecemos a família Luz, proprietários do terreno do Pontal Norte, de quase 60 mil m². Conseguimos arrendá-lo por 40 anos para a instalação do complexo da roda-gigante, isso foi entre julho e agosto de 2017”, salienta.

A partir disso, os irmãos começaram o projeto arquitetônico e em outubro daquele ano [2017] deram entrada aos trâmites legais na prefeitura.

“Os gestores, o trade turístico, deram muito apoio desde o início, a sociedade civil no geral, 98% dos comentários eram positivos, os negativos eram sem conhecimento de causa”, relembra.

No final de 2018, foi finalizado o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) – um documento de mais de 770 páginas com todos os aspectos do local como trânsito, flora, fauna, ventos, encabeçado pelo consultor ambiental Gil Koeddermann, que acabou gerando uma lista com mais de 100 medidas mitigatórias, a qual o complexo está cumprindo rigorosamente, como a manutenção do deck do Pontal Norte.

“Passamos por audiências públicas, Câmara de Vereadores, e se o projeto não era aprovado por unanimidade era praticamente, mas então o Ministério Público resolveu questionar o projeto. Mas a Justiça, através da nossa defesa, entendeu que não há nenhuma irregularidade, e que é o que é: benéfico, se adaptou ao local, de amplo interesse público e turístico, já está havendo um desenvolvimento na região, com aumento de movimento também, e conseguimos a aprovação. Foi um processo bastante intenso e rigoroso por conta do EIV, trabalhamos um ano para contratar profissionais, temos cerca de 80 engenheiros, arquitetos e técnicos que trabalharam na parte do projeto”, informa.

O consultor ambiental Gil Koeddermann, responsável pela obra, conta que foi procurado pelos sócios após a temporada de verão de 2015, com uma ‘ideia secreta’ [o objetivo na ocasião ainda era construir o atrativo na Barra Sul].

“Orientei como eles deveriam proceder para conseguirem a aprovação, todas as dificuldades que poderiam ter. Era uma prova de 400 metros com barreiras (risos). Eles fizeram um estudo e em janeiro de 2017 houve uma reunião com o prefeito Fabrício Oliveira e apresentaram o projeto para o Conselho da Cidade, com uma audiência pública e aprovação na Câmara de Vereadores. Em novembro de 2017 eles me recontataram e fui selecionado entre seis empresas para prestar a consultoria ambiental”, diz.

Audiência pública EIV

Em dezembro de 2018, como já citado, Gil conseguiu aprovar o EIV, e em 17 de setembro de 2019 o Tribunal de Justiça de SC, por unanimidade, aprovou a construção no local, comprovando que a obra não estaria sendo construída em Área de Preservação Permanente (APP), e que ‘acima de tudo’ foi comprovado que eles trabalharam da forma correta.

“Não estávamos fazendo nada de errado, respeitamos o trabalho do Ministério Público, mas houve um período muito difícil, sofremos muito porque tínhamos certeza que estávamos fazendo a coisa certa. Tudo que é mais difícil, a vitória é muito mais saborosa. A área é particular, foram retiradas do local árvores exóticas, a parte ‘ruim’, como pinus e eucalipto”, comenta.

Área onde foi construída a roda gigante – foto de 198
Área de árvores retiradas, que será reflorestada
Gil apontando para árvores mantidas no deck de acesso à roda
Deck de acesso à Big Wheel
Gil guiando a reportagem do Página 3

A reportagem do Página 3 esteve na Big Wheel nesta terça-feira (8) e pôde conferir de perto o quanto o empreendimento prezou pela sustentabilidade, inclusive com adaptações no projeto para manter algumas árvores nativas, como palmeiras e ipês. Estão sendo plantadas algumas espécies também – todas nativas, como aroeira, pata-de-vaca, ingá, pitanga, jabuticabeira e araçá.

Pensando na fauna, a Big Wheel está instalando por todo o empreendimento diversos comedouros – para as aves que vivem nos arredores. O atrativo turístico também contará com um parque ambiental, mas as trilhas só poderão ser acessadas por pesquisadores e universidades, que precisarão de autorização.

A MONTAGEM

Início obras
Cícero, Gil e Marcelo e equipe que trabalhou na Big Wheel
Em setembro de 2019, com o alvará de construção aprovado, a Justiça Estadual, através do TJ de Florianópolis, também entendeu que não havia nenhuma irregularidade e as obras iniciaram.

“Foi um cronograma bastante apertado, em 15 meses conseguimos concluir tudo, especialmente em um ano de pandemia, onde tivemos uma parada de aproximadamente 20 dias. Quando estourou a pandemia, ainda em março, já naquele final de semana eu e meus sócios decidimos que faríamos todo o possível para não atrasar a abertura do empreendimento, que já estava prevista para dezembro, em função de saber que o turismo e a cidade precisariam de uma bandeira de interesse, para dizer para o turista ‘venha, estamos aqui e temos novidades’”, destaca Cícero Fiedler.

Blocos de fundação

O engenheiro civil responsável pela obra, Marcelo Anderle, da Construtora Mestra, de Blumenau, afirma que tiveram diversos desafios a serem vencidos durante a montagem da roda-gigante, dentre os principais, ele destaca os relacionados a engenharia e a logística.

“Primeiramente, um desafio de logística para o transporte marítimo dos equipamentos até o Brasil, depois a logística de envio terrestre de aproximadamente 40 contêineres até o canteiro de obras. E por último a grande dificuldade de espaço dentro do próprio canteiro de obra, já que de um lado tínhamos a Mata Atlântica e do outro o Rio Camboriú, juntamente com as áreas de preservação permanente. Sobrando pouquíssimo espaço para os trabalhos de montagem”, conta.

Segundo Anderle, transportar os equipamentos para o canteiro de obra também exigiu muito esforço, com o uso de caminhões especiais e batedores durante todo o percurso dentro de Balneário.

Início da montagem das pernas da roda-gigante e perna roda-gigante

Já o processo de montagem exigiu um consórcio de empresas, liderados pela Construtora Mestra, especializada em projetos especiais, juntamente com uma empresa especialista em montagem mecânica, uma empresa especializada em sistemas elétricos e, por fim, uma empresa certificadora, que acompanhou todo processo de montagem.

A Big Wheel está apoiada sobre blocos de fundações onde foram consumidas aproximadamente 80 toneladas de aço e 350m³ de concreto, com estacas do tipo Raiz, de aproximadamente 12 metros de profundidade, sendo quatro metros cravados em rocha.

“Os desafios de montagem iniciaram com espaços extremamente reduzidos no canteiro de obras. Os procedimentos do fabricante indicavam uma operação com dois guindastes, procedimentos estes que não foram possíveis em função do tamanho dos guindastes e da inexistência de áreas de manobra. Desta forma, seccionamos as peças das ‘pernas’ da roda-gigante [ela possui cinco ao total] aliviando as cargas, fazendo com que a montagem pudesse ser feita apenas com um guindaste”, relembra.

Montagem do eixo e Início da montagem das cabines

Após a fixação das cinco pernas, foi a hora da fixação do eixo principal, com um peso total de 16,5 toneladas.

“Os próximos passos foram a fixação dos tirantes e o início da montagem dos segmentos do aro. O aro é composto por 18 segmentos. A montagem ocorreu com sucesso e com uma precisão de encaixe perfeita. Na sequência iniciamos o torqueamento dos cabos de aço, necessários para tensionamento dos mesmos antes do início da montagem das cabines. Após diversas checagens dos materiais instalados iniciamos a fixação das 36 cabines”, acrescenta, citando que outro grande desafio do projeto foi o prazo de execução: da fundação até a entrega da roda-gigante em funcionamento foram apenas 11 meses.

“Mantivemos o cronograma em dia, mesmo com a paralisação de duas semanas devido a pandemia. Isso só foi possível devido a um forte planejamento e engajamento de todas equipes operacionais. A obra teve a participação direta de aproximadamente 10 profissionais de engenharia e 100 profissionais da área operacional no seu pico de construção. O resultado foi a realização da maior roda-gigante estaiada da América Latina”, completa o engenheiro.

A INAUGURAÇÃO

Cícero Fiedler, Ricardo Fiedler, Gil e Walendowsky .

O empresário Cícero Fiedler comenta que como o empreendimento trouxe muita curiosidade no público, surgiu a ideia de fazer a live com a banda Jota Quest para marcar oficialmente a inauguração da Big Wheel. Com transmissão ao vivo da roda-gigante, a banda irá apresentar suas canções mais famosas a partir das 20h, via YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=vQTpY5QmTIY).

“Sabemos que há pessoas acompanhando desde as audiências, vibrando com cada fase da obra, e mesmo que não estivéssemos em pandemia não conseguiríamos receber todas essas pessoas que ‘adotaram’ o empreendimento, em função da limitação de espaço, e aí surgiu a ideia da live, um evento digital para o Brasil inteiro, do conforto de suas casas, sendo um marco para a cidade, para mostrar o que é Balneário Camboriú, uma cidade que se renova, que possui uma beleza cênica, com gastronomia e hotelaria de ponta, sendo um presente para todos”, explica.

Fiedler opina que, pela beleza que a Big Wheel possui, a tendência é que isso fique gravado na memória afetiva das pessoas, como já acontece com destinos que possuem roda-gigante, como a London Eye, de Londres – que é a grande inspiração da roda de Balneário.

“Quando verem uma roda-gigante, vão relembrar Balneário. Já víamos desde a montagem a felicidade das pessoas de só desfrutarem visualmente, e agora poderão desfrutar dela em si, com uma vista única, que nem todo mundo tem acesso, já que poucas pessoas possuem imóvel de frente para o mar. O equipamento visa proporcionar o que Balneário tem de melhor, a beleza cênica, que é o oceano, a mata e um ambiente altamente urbanizado, juntando tudo em uma vista sem igual”, pontua.

O irmão e sócio de Cícero, Ricardo Fiedler, conversou com o Página 3 diretamente da Big Wheel, onde destacou a satisfação e alegria que sente por estarem finalmente entregando esse empreendimento, que une a tecnologia com o meio-ambiente.

“Fizemos o melhor que podíamos, já preservamos muito, e vamos continuar a replantar e cuidar da mata que há ao redor da Big Wheel. Focamos em entregar um projeto muito positivo, e que irá levar entretenimento e uma experiência única para cada visitante. Nos preocupamos também com as medidas sanitárias e segurança, contamos com mais de 90 câmeras, e entre elas na entrada há uma especial de medição de temperatura, a exemplo das utilizadas nos aeroportos”, explica, acrescentando que o empreendimento sempre terá novidades, com ingressos diferenciados – a exemplo do já existente, onde os visitantes poderão desfrutar de um drink ou comer uma pipoca enquanto curtem o passeio.

O sócio-diretor da Big Wheel, Erondi Roveda, salienta que assim como seus sócios está muito feliz com a entrega do empreendimento, que é para todos os moradores e visitantes que vierem para Balneário.

“Gostaríamos principalmente de agradecer a todas as pessoas que se dedicaram na construção da roda-gigante e aos mais de 100 funcionários que estarão diretamente focados na missão de criar momentos e experiências marcantes e lembranças que ficarão gravadas na memória afetiva para sempre”, diz.

O consultor ambiental Gil Koeddermann comenta que ‘chega a se emocionar’ por saber que a Big Wheel está finalmente sendo inaugurada, citando que percorreram muitos lugares do mundo para saberem como funcionavam as rodas-gigantes, como Londres, Lisboa, Singapura, Seattle, Paris, Montreal, Toronto, Chicago, Niágara Falls e Orlando.

“É uma obra de arte que mudará Balneário Camboriú, tenho certeza disso. Defendemos muito o turismo sustentável, acreditamos que um mundo melhor é um mundo sustentável, já melhoramos muito a localidade e vamos melhorar ainda mais a Mata Atlântica de lá, que ainda na época de 1980 foi cortada, plantaram lá pinus e eucalipto, que retiramos e edificamos a Big ali”, aponta.

O secretário de Turismo de Balneário Camboriú, Valdir Walendowsky, opina que a Big Wheel é realmente um equipamento ‘significativo’ para Balneário Camboriú, região e Santa Catarina. Ele lembra que ‘vários destinos importantes do turismo mundial’ possuem roda-gigante, e que então Balneário está passando a se incluir nessa lista.

“Estamos nesse nível, nos igualamos com esse equipamento de última geração. Balneário é uma cidade dinâmica, um exemplo de desenvolvimento a nível de Brasil e até América do Sul, a iniciativa privada vê com bons olhos e decide investir aqui, tendo a certeza que terão retorno em função desse dinamismo na área pública e privada, pois a nossa cidade é única”, informa.

Walendowsky lembra ainda que a prefeitura também está investindo no Pontal Norte, com o molhe, e comenta que em sua opinião o Norte agora possui a mesma importância que a Barra Sul.

“Os dois se tornam atrativos, e diante desse ano complicado que tivemos é um grande presente os empresários estarem entregando esse equipamento”, acrescenta.

INVESTIMENTO

Gil e os sócios

A Big Wheel é um investimento de, segundo Cícero Fiedler, quase R$ 40 milhões – totalmente privado, sem dinheiro público, benefício fiscal ou isenção de impostos. O empreendimento já gerou 65 empregos diretos e mais 75 indiretos, durante a obra foi utilizada mão-de-obra local de mais de 100 pessoas.

“Tudo isso colabora para a economia. Hotéis já estão utilizando isso para se divulgarem, também apoiando a Big Wheel e a cidade. A FG Empreendimentos também acreditou na nossa ideia recentemente, com eles também veio a Unimed, que está oferecendo alguns benefícios para nossos funcionários e para clientes deles. São duas marcas de expressão nacional e muito conceituadas, terem ambas assinando o nosso empreendimento é motivo de muito orgulho. Com isso tivemos a certeza de que o empreendimento é tão bom que essas marcas assinam embaixo, é um momento de muita gratidão”, completa, citando que somente empresas locais foram escolhidas para a montagem e demais serviços, como logística, foram utilizados..

Acompanhe a transmissão da live com a banda Jota Quest ao vivo da roda-gigantea partir das 20h, via YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=vQTpY5QmTIY).