Balneário Camboriú é alvo de operação da PF contra fraude de testes de Covid-19

A Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em Balneário Camboriú e Itajaí na quinta-feira (30), ações que integram a Operação Polígrafo que tem o objetivo de desarticular possíveis esquemas de fraudes na Secretaria Estadual de Saúde de Rondônia, onde há suspeita de irregularidades no chamamento público para a compra de 100 mil kits de testes rápidos de Covid-19.

Segundo a Polícia Federal, há fortes indícios de irregularidades na compra dos testes e superfaturamento no valor – que em seu total ultrapassaria R$ 10 milhões. A PF teria notado, durante as investigações, que os testes adquiridos não possuíam registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), além do superfaturamento no valor de cada teste, comparando ao preço ofertado no chamamento público da Superintendência Estadual de Licitações (Supel).

Em Balneário e Itajaí a PF cumpriu mandados de busca e apreensão, assim como na capital de Rondônia, Porto Velho, e no Rio de Janeiro.

A partir da análise dos processos licitatórios, teria sido constatado indícios de favorecimento à uma empresa, além do pagamento adiantado de cerca de R$ 3 milhões – a exemplo do que aconteceu em Santa Catarina, com a questão dos respiradores. Esse valor foi bloqueado judicialmente até a conclusão das investigações.

Os investigados, se comprovadas as irregularidades, podem responder por crimes como: fraude à licitação, corrupção, peculato, falsidade ideológica e associação criminosa.