Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Yachthouse Residence: desafios que vão além do que se vê
Divulgação
Fundação do Yachthouse Residence foi um marco na construção do empreendimento, que será concluído em 2019

Quarta, 1/11/2017 9:32.

Agência A

Considerado atualmente o maior edifício residencial em construção no Brasil, o Yachthouse Residence, da Construtora Pasqualotto & GT Empreendimentos deve ser concluído em 2019. A imponência vai além do número de andares, 81 pavimentos em cada torre, mas também pela área de lazer com 10 mil m², além de 17 elevadores para transportar os usuários pelo empreendimento.

A magnitude do empreendimento também se traduz em números, desde a fundação, que levou um ano e meio pra ficar pronta e onde foram usados 4562 caminhões de cimento. As fundações são elementos fundamentais para o desempenho e segurança de qualquer edificação e, no caso da obra do Yachthouse, devido a magnitude das cargas envolvidas, o tema envolveu extrema complexidade.

Segundo o empresário Alcino Pasqualotto, a partir dos resultados de ensaios de caracterização do solo, através de sondagem tipo CPT, SPT e rotativas, e das cargas previstas para a supraestrutura, os profissionais de geotecnica e de projeto estrutural escolheram o tipo de fundação mais adequada para edificar o empreendimento.

Para uma obra deste porte a solução escolhida foi o Radier Estaqueado. Este tipo de fundação consiste em um bloco de fundação de grandes dimensões, o qual é apoiado sobre um berço formado por estacas tipo hélice contínua monitorada, obedecendo as normas brasileiras pertinentes.

Mas o principal destaque da obra, não está no que se vê: a fundação. A concretagem das torres mobilizou a equipe e profissionais responsáveis, no maior desafio enfrentado no projeto. “Desde o princípio do planejamento encontramos diversas barreiras que teríamos que enfrentar. Um dos pontos críticos foi o rebaixamento do lençol freático, que exigiu um grande estudo, pois teríamos que rebaixar a água para conseguir concretar cerca de 5,5 m de profundidade”, explicou o empresário.

Por serem blocos de grandes quantidades de concreto e um traço de até 50 MPA com grande quantidade de cimento por m³ foi preciso estudos para cuidar da temperatura que o concreto atingia e respeitar a norma. Foram utilizados cerca de 100 kg de gelo por m³ de concreto para controlar a temperatura que ele era despejado no elemento concretado, e a concretagem foi feita por camadas para não atingir limites de temperaturas exigidos pela norma.

Outro desafio da obra foi a logística. Para atingir as metas diárias de concretagem foi preciso analisar desde o tempo de descarga de um caminhão até seu deslocamento entre a usina e a obra. “Nossa meta era audaciosa. Utilizar duas bombas de concreto, onde descarregavam 60 caminhões por bomba a cada dia”, disse Alcino.

Atualmente, ultrapassando já o quinquagésimo o que se vê é a magnitude da obra, em todos os aspectos. “Por se tratar de um empreendimento com duas torres de 81 pavimentos e mais de 138 mil metros quadrados de construção, cada item foi exaustivamente estudado e pensado, pois qualquer pequeno desvio teria um impacto exponencial”, concluiu o Diretor da construtora, orgulhoso em empreender de um projeto grandioso e desafiador como o Yachthouse.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Yachthouse Residence: desafios que vão além do que se vê

Divulgação
Fundação do Yachthouse Residence foi um marco na construção do empreendimento, que será concluído em 2019
Fundação do Yachthouse Residence foi um marco na construção do empreendimento, que será concluído em 2019
Quarta, 1/11/2017 9:32.

Agência A

Considerado atualmente o maior edifício residencial em construção no Brasil, o Yachthouse Residence, da Construtora Pasqualotto & GT Empreendimentos deve ser concluído em 2019. A imponência vai além do número de andares, 81 pavimentos em cada torre, mas também pela área de lazer com 10 mil m², além de 17 elevadores para transportar os usuários pelo empreendimento.

A magnitude do empreendimento também se traduz em números, desde a fundação, que levou um ano e meio pra ficar pronta e onde foram usados 4562 caminhões de cimento. As fundações são elementos fundamentais para o desempenho e segurança de qualquer edificação e, no caso da obra do Yachthouse, devido a magnitude das cargas envolvidas, o tema envolveu extrema complexidade.

Segundo o empresário Alcino Pasqualotto, a partir dos resultados de ensaios de caracterização do solo, através de sondagem tipo CPT, SPT e rotativas, e das cargas previstas para a supraestrutura, os profissionais de geotecnica e de projeto estrutural escolheram o tipo de fundação mais adequada para edificar o empreendimento.

Para uma obra deste porte a solução escolhida foi o Radier Estaqueado. Este tipo de fundação consiste em um bloco de fundação de grandes dimensões, o qual é apoiado sobre um berço formado por estacas tipo hélice contínua monitorada, obedecendo as normas brasileiras pertinentes.

Mas o principal destaque da obra, não está no que se vê: a fundação. A concretagem das torres mobilizou a equipe e profissionais responsáveis, no maior desafio enfrentado no projeto. “Desde o princípio do planejamento encontramos diversas barreiras que teríamos que enfrentar. Um dos pontos críticos foi o rebaixamento do lençol freático, que exigiu um grande estudo, pois teríamos que rebaixar a água para conseguir concretar cerca de 5,5 m de profundidade”, explicou o empresário.

Por serem blocos de grandes quantidades de concreto e um traço de até 50 MPA com grande quantidade de cimento por m³ foi preciso estudos para cuidar da temperatura que o concreto atingia e respeitar a norma. Foram utilizados cerca de 100 kg de gelo por m³ de concreto para controlar a temperatura que ele era despejado no elemento concretado, e a concretagem foi feita por camadas para não atingir limites de temperaturas exigidos pela norma.

Outro desafio da obra foi a logística. Para atingir as metas diárias de concretagem foi preciso analisar desde o tempo de descarga de um caminhão até seu deslocamento entre a usina e a obra. “Nossa meta era audaciosa. Utilizar duas bombas de concreto, onde descarregavam 60 caminhões por bomba a cada dia”, disse Alcino.

Atualmente, ultrapassando já o quinquagésimo o que se vê é a magnitude da obra, em todos os aspectos. “Por se tratar de um empreendimento com duas torres de 81 pavimentos e mais de 138 mil metros quadrados de construção, cada item foi exaustivamente estudado e pensado, pois qualquer pequeno desvio teria um impacto exponencial”, concluiu o Diretor da construtora, orgulhoso em empreender de um projeto grandioso e desafiador como o Yachthouse.

Publicidade

Publicidade