Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Artigo: Maria Fernanda Costa é convocada para representar o Brasil na Turquia

Segunda, 6/2/2017 8:34.

Por Suéllen Almeida Batista

Do nascimento a vida escolar

No dia 17 de setembro de 2001, na cidade de Blumenau, aos oito meses de idade, nascia uma campeã. Filha de Karen Jaqueline da Silva e Paulo Costa, Maria nasceu de parto cesárea com fórceps e azulada, devido à demora em se realizar o parto.

Já nos primeiros meses de vida as dificuldades que Maria diagnosticada Síndrome de Down teria que enfrentar pela frente apareceram, aos quatro meses a sua mãe Karen percebeu na virada de ano que a pequena não demonstrava reação com o barulho dos fogos.

Os pais então levaram a filha para realizar exames, foi detectado que além da Síndrome Maria era surda. Como não se entristecer diante de uma notícia dessas, a pequena era surda e nada poderia ser feito para mudar o seu quadro.

Mas, as dificuldades que Maria ainda teria que enfrentar não pararam por ai, aos sete meses teve que passar por uma cirurgia no coração. E foi com muito esforço e vontade de vencer que Maria começou a caminhar aos 2 anos e 4 meses de idade, isso devido a exaustiva rotina de Fisioterapia, Natação e Fonoaudióloga.

Iniciou a vida escolar aos quatro anos em Blumenau no Jardim Princesa Isabel, aos cinco anos Nanda veio com os pais morar em Balneário Camboriú, entrou na creche do município Novo Tempo onde iniciou sua alfabetização em Libras. Permaneceu nessa escola durante três anos devido sua dificuldade em se alfabetizar, se para uma criança surda já é difícil, imagine para uma criança surda e síndrome de down.

Durante sua trajetória escolar a pequena guerreira, além de todas as suas limitações e lutas para se desenvolver e aprender, descobriu pela frente o peso do preconceito, pois algumas as escolas fechavam as portas quando descobriam as dificuldades que Nanda tinha. Karen conta que chegava nas escolas com as vagas disponíveis e quando viam os documentos da filha a vaga era negada.

Porem Karen nunca desistiu, e as escolas que negaram as vagas para Nanda, Karen não insistiu e nem fez questão, pois queria que sua filha fosse bem recebida e entrasse pela porta da frente.

O Tênis de Mesa

Sua trajetória no Tênis de Mesa iniciou em Blumenau, no Centro Municipal de Ampliação do Tempo e Espaço Pedagógico da Criança e do Adolescente- CEMATEPCA, uma instituição mantida pela prefeitura Municipal de Blumenau, com o Professor de Educação Física Mário, uma figura magnífica que abraçou a causa juntamente com a Coordenadora do Paradesporto de Blumenau, Giseli Margot.

A primeira competição de Maria Fernanda foi em Timbó no ano de 2013, no PARAJEST, onde conseguiu trazer o título de terceiro lugar na categoria DI (Deficiência Intelectual). No mesmo ano Nanda ficou em 1° lugar nos Jogos Estudantis da primavera de Blumenau e 1° lugar Jogos Escolares Municipais de Blumenau.

Em 2014, passou a treinar com o técnico José Gamba Neto em Balneário Camboriú, competiu nos Jogos Sul Americanos de Surdos em novembro de 2014, conquistando o terceiro lugar. Junto ao técnico Neto conquistou ainda o 1° lugar PARAJESTI categoria Deficiente Auditivo ‘B’ em Timbó; 1° lugar PARAJESC categoria Deficiente Intelectual em Blumenau, 3° lugar no Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa classe 11 feminino em Joaçaba; 3° lugar Campeonato Estadual de Tênis de Mesa em Florianópolis; e 3° lugar na Liga Leste Catarinense categoria ranking D feminino em Balneário Camboriú.

Em 2015 o primo de Nanda o Fisioterapeuta e preparador físico da atleta Fernando Sandri, conversou com Karen indicando que Nanda passasse a treinar com a Equipe do Paradesporto de Itajaí, iniciou os treinos então na Associação Itajaiense de Tênis de Mesa-AITM e Fundação Municipal de Esportes de Lazer de Itajaí-FMEL, com os técnicos Suéllen Almeida Batista responsável pela Equipe do Tênis de Mesa Paralímpico do Município, Edson Luiz da Silva técnico do rendimento Olímpico, e auxiliar Tainá Mayara da Silva, conquistando então os seguintes resultados:

1° lugar XX Olimpíada Estadual das APAES em Criciúma;
1° lugar Fenapaes APAE em Campo Grande edição nacional;
1° lugar Jogos Abertos em Caxias do Sul;
2° lugar PARAJESC em São Miguel do Oeste;
2º lugar Campeonato Brasileiro de Surdos individual em Joinville;
3° lugar Campeonato Brasileiro de surdos por dupla mista em Joinville;
3° lugar Circuito Catarinense de Tênis de Mesa ranking andante feminino em Jaraguá do Sul;
3º lugar PARAJESC categoria Deficiente Intelectual em São Miguel do Oeste;
4º lugar no PARAJASC categoria Deficiente Auditivo em São Miguel do Oeste.

Maria Fernanda treinou firme e participou de diversas competições nos anos de 2015 e 2016, pois a técnica Suéllen Almeida Batista tinha como objetivo principal que a atleta fosse convocada para representar o Brasil no 23º Summer Deaflympics 2017 (23º Surdolimpíadas de Verão 2017), que será realizado no período de 18 a 30 de julho de 2017, em Samsun, Turquia.

E no dia 20 de dezembro de 2016 todos os esforços, dores e suor foram recompensados, técnica e atleta alcançaram assim o objetivo, pois neste dia saiu a Carta de Convocação para que Maria Fernanda Costa 15 anos, Surda e Síndrome de Down integre a Seleção Brasileira que ira participar da 23° Summer Deaflympics na Turquia.

Escrito por Suéllen Almeida Batista.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Política


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Artigo: Maria Fernanda Costa é convocada para representar o Brasil na Turquia

Segunda, 6/2/2017 8:34.

Por Suéllen Almeida Batista

Do nascimento a vida escolar

No dia 17 de setembro de 2001, na cidade de Blumenau, aos oito meses de idade, nascia uma campeã. Filha de Karen Jaqueline da Silva e Paulo Costa, Maria nasceu de parto cesárea com fórceps e azulada, devido à demora em se realizar o parto.

Já nos primeiros meses de vida as dificuldades que Maria diagnosticada Síndrome de Down teria que enfrentar pela frente apareceram, aos quatro meses a sua mãe Karen percebeu na virada de ano que a pequena não demonstrava reação com o barulho dos fogos.

Os pais então levaram a filha para realizar exames, foi detectado que além da Síndrome Maria era surda. Como não se entristecer diante de uma notícia dessas, a pequena era surda e nada poderia ser feito para mudar o seu quadro.

Mas, as dificuldades que Maria ainda teria que enfrentar não pararam por ai, aos sete meses teve que passar por uma cirurgia no coração. E foi com muito esforço e vontade de vencer que Maria começou a caminhar aos 2 anos e 4 meses de idade, isso devido a exaustiva rotina de Fisioterapia, Natação e Fonoaudióloga.

Iniciou a vida escolar aos quatro anos em Blumenau no Jardim Princesa Isabel, aos cinco anos Nanda veio com os pais morar em Balneário Camboriú, entrou na creche do município Novo Tempo onde iniciou sua alfabetização em Libras. Permaneceu nessa escola durante três anos devido sua dificuldade em se alfabetizar, se para uma criança surda já é difícil, imagine para uma criança surda e síndrome de down.

Durante sua trajetória escolar a pequena guerreira, além de todas as suas limitações e lutas para se desenvolver e aprender, descobriu pela frente o peso do preconceito, pois algumas as escolas fechavam as portas quando descobriam as dificuldades que Nanda tinha. Karen conta que chegava nas escolas com as vagas disponíveis e quando viam os documentos da filha a vaga era negada.

Porem Karen nunca desistiu, e as escolas que negaram as vagas para Nanda, Karen não insistiu e nem fez questão, pois queria que sua filha fosse bem recebida e entrasse pela porta da frente.

O Tênis de Mesa

Sua trajetória no Tênis de Mesa iniciou em Blumenau, no Centro Municipal de Ampliação do Tempo e Espaço Pedagógico da Criança e do Adolescente- CEMATEPCA, uma instituição mantida pela prefeitura Municipal de Blumenau, com o Professor de Educação Física Mário, uma figura magnífica que abraçou a causa juntamente com a Coordenadora do Paradesporto de Blumenau, Giseli Margot.

A primeira competição de Maria Fernanda foi em Timbó no ano de 2013, no PARAJEST, onde conseguiu trazer o título de terceiro lugar na categoria DI (Deficiência Intelectual). No mesmo ano Nanda ficou em 1° lugar nos Jogos Estudantis da primavera de Blumenau e 1° lugar Jogos Escolares Municipais de Blumenau.

Em 2014, passou a treinar com o técnico José Gamba Neto em Balneário Camboriú, competiu nos Jogos Sul Americanos de Surdos em novembro de 2014, conquistando o terceiro lugar. Junto ao técnico Neto conquistou ainda o 1° lugar PARAJESTI categoria Deficiente Auditivo ‘B’ em Timbó; 1° lugar PARAJESC categoria Deficiente Intelectual em Blumenau, 3° lugar no Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa classe 11 feminino em Joaçaba; 3° lugar Campeonato Estadual de Tênis de Mesa em Florianópolis; e 3° lugar na Liga Leste Catarinense categoria ranking D feminino em Balneário Camboriú.

Em 2015 o primo de Nanda o Fisioterapeuta e preparador físico da atleta Fernando Sandri, conversou com Karen indicando que Nanda passasse a treinar com a Equipe do Paradesporto de Itajaí, iniciou os treinos então na Associação Itajaiense de Tênis de Mesa-AITM e Fundação Municipal de Esportes de Lazer de Itajaí-FMEL, com os técnicos Suéllen Almeida Batista responsável pela Equipe do Tênis de Mesa Paralímpico do Município, Edson Luiz da Silva técnico do rendimento Olímpico, e auxiliar Tainá Mayara da Silva, conquistando então os seguintes resultados:

1° lugar XX Olimpíada Estadual das APAES em Criciúma;
1° lugar Fenapaes APAE em Campo Grande edição nacional;
1° lugar Jogos Abertos em Caxias do Sul;
2° lugar PARAJESC em São Miguel do Oeste;
2º lugar Campeonato Brasileiro de Surdos individual em Joinville;
3° lugar Campeonato Brasileiro de surdos por dupla mista em Joinville;
3° lugar Circuito Catarinense de Tênis de Mesa ranking andante feminino em Jaraguá do Sul;
3º lugar PARAJESC categoria Deficiente Intelectual em São Miguel do Oeste;
4º lugar no PARAJASC categoria Deficiente Auditivo em São Miguel do Oeste.

Maria Fernanda treinou firme e participou de diversas competições nos anos de 2015 e 2016, pois a técnica Suéllen Almeida Batista tinha como objetivo principal que a atleta fosse convocada para representar o Brasil no 23º Summer Deaflympics 2017 (23º Surdolimpíadas de Verão 2017), que será realizado no período de 18 a 30 de julho de 2017, em Samsun, Turquia.

E no dia 20 de dezembro de 2016 todos os esforços, dores e suor foram recompensados, técnica e atleta alcançaram assim o objetivo, pois neste dia saiu a Carta de Convocação para que Maria Fernanda Costa 15 anos, Surda e Síndrome de Down integre a Seleção Brasileira que ira participar da 23° Summer Deaflympics na Turquia.

Escrito por Suéllen Almeida Batista.

 

Publicidade

Publicidade