Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Página 3 denuncia discriminação de comandante da PM à Assembleia Legislativa
Erik Drooker

Terça, 16/2/2016 9:13.

O jornal Página 3 enviou à Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, correspondência com o seguinte teor: 

Ao Deputado Mauricio Eskudlark

Sr. Deputado

Por exercer o direito de crítica o jornal Página 3 de Balneário Camboriú está sendo discriminado pelo comandante do 12º BPM, José Evaldo Hoffmann Júnior, com sede neste município, o que não se admite num estado de direito.

Dessa forma apresento um relato dos fatos e solicito que seja levado ao conhecimento da Comissão de Segurança dessa Alesc, na qual o Sr. ocupa o cargo de vice-presidente, para as medidas que entenderem cabíveis.

Att.
Waldemar Cezar Neto
Editor
Jornal Página 3

Os fatos:

O 12º Batalhão da Polícia Militar, sediado em Balneário Camboriú, resolveu suspender a remessa diária por e-mail de informativos à imprensa. Por coincidência isto ocorreu logo depois do Página 3 obter na justiça o direito de também receber esses informativos.

Sete meses atrás o jornal Página 3 foi cortado dos destinatários após criticar a maquiagem de informações por parte do comando do batalhão.

Na última quarta-feira o comando do 12º BPM decidiu que as informações serão divulgadas apenas no Facebook. Aquele espaço na rede social tem sido usado para divulgar fatos sociais e ocorrências que melhoram a imagem da PM como a recuperação de veículos roubados, traficantes e assaltantes presos etc.

Na verdade a PM continua enviando para a imprensa, através de WhatsApp, alertas das ocorrências, mas o telefone do editor do jornal também foi cortado sete meses atrás, portanto ele não recebe esses alertas.

Por causa disso, ontem foi registrada reclamação junto à Ouvidoria da PM. Caso a discriminação prossiga o jornal irá à justiça novamente porque o tratamento isonômico, igualitário, é garantido pela Constituição e não pelos caprichos de servidores públicos.

Mais detalhes podem ser obtidos nos seguintes links:

Justiça manda a PM tratar o Página 3 com isonomia.

A matéria que levou o comandante a discriminar o Página 3 pode ser lida aqui.


Leia também: Deputado Dresch diz que estado oculta caos na segurança

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Página 3 denuncia discriminação de comandante da PM à Assembleia Legislativa

Erik Drooker
Terça, 16/2/2016 9:13.

O jornal Página 3 enviou à Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa, correspondência com o seguinte teor: 

Ao Deputado Mauricio Eskudlark

Sr. Deputado

Por exercer o direito de crítica o jornal Página 3 de Balneário Camboriú está sendo discriminado pelo comandante do 12º BPM, José Evaldo Hoffmann Júnior, com sede neste município, o que não se admite num estado de direito.

Dessa forma apresento um relato dos fatos e solicito que seja levado ao conhecimento da Comissão de Segurança dessa Alesc, na qual o Sr. ocupa o cargo de vice-presidente, para as medidas que entenderem cabíveis.

Att.
Waldemar Cezar Neto
Editor
Jornal Página 3

Os fatos:

O 12º Batalhão da Polícia Militar, sediado em Balneário Camboriú, resolveu suspender a remessa diária por e-mail de informativos à imprensa. Por coincidência isto ocorreu logo depois do Página 3 obter na justiça o direito de também receber esses informativos.

Sete meses atrás o jornal Página 3 foi cortado dos destinatários após criticar a maquiagem de informações por parte do comando do batalhão.

Na última quarta-feira o comando do 12º BPM decidiu que as informações serão divulgadas apenas no Facebook. Aquele espaço na rede social tem sido usado para divulgar fatos sociais e ocorrências que melhoram a imagem da PM como a recuperação de veículos roubados, traficantes e assaltantes presos etc.

Na verdade a PM continua enviando para a imprensa, através de WhatsApp, alertas das ocorrências, mas o telefone do editor do jornal também foi cortado sete meses atrás, portanto ele não recebe esses alertas.

Por causa disso, ontem foi registrada reclamação junto à Ouvidoria da PM. Caso a discriminação prossiga o jornal irá à justiça novamente porque o tratamento isonômico, igualitário, é garantido pela Constituição e não pelos caprichos de servidores públicos.

Mais detalhes podem ser obtidos nos seguintes links:

Justiça manda a PM tratar o Página 3 com isonomia.

A matéria que levou o comandante a discriminar o Página 3 pode ser lida aqui.


Leia também: Deputado Dresch diz que estado oculta caos na segurança

Publicidade

Publicidade