Jornal Página 3
Prefeito milionário desponta em Minas para eleição de 2018

CAROLINA LINHARES, ENVIADA ESPECIAL
BETIM, MG (FOLHAPRESS) - Vittorio Medioli (PHS), 66, prefeito de Betim (MG), avalia que poderia ter gastado menos em sua campanha. Ele foi o candidato do país que usou o maior montante de recursos próprios para se eleger: R$ 4,48 milhões, o que representou 99,94% de sua arrecadação e quase alcançou o teto de R$ 4,52 milhões estabelecido para a terceira maior cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

Medioli ajudou a financiar a campanha de vereadores de 11 partidos e tem a maioria absoluta na Câmara. Somente Daniel Costa (PT) é de oposição e mesmo assim votou para aprovar medidas do prefeito, eleito no primeiro turno, com 61,64% dos votos.

Uma campanha mais barata não viria, porém, por necessidade. Com bens declarados de R$ 352,6 milhões, a despesa na eleição representou 1,27% de seu patrimônio. João Doria, prefeito de São Paulo, por exemplo, acumula R$ 179,8 milhões e gastou R$ 4,44 milhões –35,7% de sua receita de campanha.

Com isso, Medioli ganhou a pecha de "prefeito rico" –e defende a classe. "Rico não pode ser excluído da possibilidade de fazer política. Uma pessoa que se dispõe a prestar seu tempo, sua dedicação e sua vontade não faz mal ao país", afirma.

Dono do Grupo Sada, que vai da siderurgia a um time de vôlei, passando por autopeças e uma editora, ele faturou R$ 3,2 bilhões em 2016. O italiano naturalizado brasileiro, que ainda guarda o sotaque de Parma, chegou a Betim aos 25 anos para prestar serviços de logística à fábrica da Fiat instalada na cidade. Hoje, um total de 40% da logística de automóveis no país é feita pelo Grupo Sada.

Assim como Doria, Medioli renunciou ao salário (R$ 21,5 mil), negociou doações de remédios com a iniciativa privada e tem o nome ventilado para 2018. "Pode ventilar, estou bem fincado aqui."

Apesar de também ter sido beneficiado pela onda antipolítica, Medioli foi deputado federal de 1991 a 2006 pelo PSDB. Deixou o partido, segundo conta, por "disputas internas". Escolheu o PHS por ser inexpressivo. Trouxe ao partido o amigo Alexandre Kalil, ex-presidente do Atlético Mineiro e hoje prefeito de BH, mas diz não se envolver em decisões da sigla.

LAVA JATO

Nascido no país da Mãos Limpas, operação que inspira a Lava Jato, Medioli concorda em anistiar os ex-colegas de Congresso, mas não como eles gostariam. "Não adianta prender, tem que sair do país. Devolve o que foi roubado e suma daqui."

A solução Medioli daria uma opção: ser processado ou vender o patrimônio ilícito e viver 20 anos fora. A receita valeria para empreiteiros. "O Brasil não precisa dessas quatro, dez famílias que estão infestando o país. As obras que eles fazem qualquer outro faz."

Medioli aprovou o veto às doações empresariais por "não haver controle que impeça a promiscuidade dessa relação". Contudo, não defende financiamento público nem lista fechada. Para ele, a nova legislação, que limita doações de pessoas físicas, mas não a autodoação, é "entre os males, o menor".

Não foram as novas regras, entretanto, que alçaram o prefeito ao poder. Ele está por trás da política de Betim desde 2000, quando ajudou a eleger Carlaile Pedrosa (PSDB), eleito novamente em 2004 e 2012.

No último mandato, eles romperam. Afastado para uma cirurgia no coração em 2014, Carlaile voltou à prefeitura antes do previsto para dar fim ao governo do vice, ligado a Medioli.

O próprio Medioli esteve internado em 2011, quando transplantou o fígado. "Eu morri. Tinha me despedido dessa vida. Voltei para cumprir algo. O que apareceu foi reparar os prejuízos que dei a Betim apoiando políticos que arrebentaram o município."

Seu desafio na prefeitura é fazer a folha de pagamento caber no Orçamento. Medioli cortou horas extras e cargos comissionados. Ainda assim, Betim sofre com a queda de receita: de cerca de R$ 1,6 bilhão em 2013 (em valores corrigidos), a previsão para 2017 é R$ 1,4 bilhão.

"Betim tinha um polo de fornecedores automotivos e isso desmoronou. Hoje tem 30 mil desempregados", diz.

JORNAL E CONDENAÇÃO

Em 1996, quando o Grupo Sada era criticado por parte da imprensa mineira, Medioli comprou o jornal "O Tempo", que tem uma edição para Betim e outra para Belo Horizonte. A de Betim é semanal e gratuita. Além disso, a Sempre Editora, presidida por sua mulher, Laura Medioli, veicula o tabloide "Super Notícia", que chegou a ter a maior tiragem do país.

Medioli reconhece que há conflito de interesses em "O Tempo", mas afirma que não é beneficiado pela publicação "mais isenta do Brasil". Questionado se já houve reportagens críticas a ele, responde: "Ninguém ousa, mas eu vou pautar uma matéria".

Em 2015, Medioli foi condenado a cinco anos de prisão por evasão de divisas e manutenção clandestina de depósitos. Segundo a Justiça, usou doleiros para enviar US$ 595 mil à Suíça em 2002. O prefeito pediu a anulação da sentença, alegando que suas testemunhas não foram ouvidas.

Para o prefeito, o caso foi intriga política, já que outros 90 parlamentares investigados se safaram. "Foi uma covardia. Essa operação representa zero alguma coisa do meu patrimônio. Só em filantropia eu faço US$ 2 milhões por ano há 20 anos." 


Sábado, 17/6/2017 6:56.




Cidade

Cemitério está superlotado há muito tempo


Cidade

O problema é antigo e de dificil solução a curto prazo  


Saúde

Pedido de autorização está indo hoje para a Câmara de Vereadores 


Justiça


Saúde

Mais da metade foi encontrada no centro  


Cidade

Ele pediu pressa ao prefeito Fabrício Oliveira, veja o filme. 


Cidade

Entidade quer capacitar a cidade para competir em alto nível


Cultura

Espetáculo de coros de música sacro erudita, de graça  


Cidade

Haverá um depósito central, de onde sairão os materiais para todas as áreas


Publicidade

A nova agência está funcionando na avenida Osmar Souza Nunes, 290


Publicidade


Colunistas
por Waldemar Cezar Neto
por Augusto Cesar Diegoli
por Marlise Schneider

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br