Jornal Página 3
Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Céres Fabiana Felski
por Carlos Mayer
por Daniele Sisnandes
por Enéas Athanázio
Cultura

Dono do espaço não gostou do desenho


Geral

Operação reuniu multidão em Barra Velha


Esportes

Abertura foi realizada nesta segunfa-feira


Equilíbrio

Em debate resíduos sólidos na região da Costa Brava  


Saúde

Veja a programação do Outubro Rosa e participe


Publicidade


Publicidade

Resort de Balneário Camboriú terá programação especial para crianças e adultos


publicidade

Alibaba vai investir US$ 15 bi para liderar em inteligência artificial

(FOLHAPRESS) - Principal empresa de varejo on-line chinesa, o grupo de comércio eletrônico Alibaba planeja investir US$ 15 bilhões (12,7 bilhões de euros ou R$ 47,5 bilhões) na construção de centros de pesquisa no exterior, para competir com líderes globais em áreas como comércio eletrônico, logística e tecnologia de computação em nuvem.

O investimento, que se dará ao longo de três anos (US$ 5 bi por ano), representa cerca de 14% das vendas anuais projetadas do Alibaba e faz parte de um programa chamado "Academy for Discovery, Adventure, Momentum and Outlook" (Damo).

A academia Damo vai lançar oito bases na China, Israel, Estados Unidos, Rússia e Cingapura e está contratando cem pesquisadores para trabalhar com inteligência artificial (IA), computação quântica e fintechs, disse a empresa em comunicado nesta quarta-feira (11).

"A Alibaba Damo Academy estará na vanguarda do desenvolvimento da próxima geração de tecnologias que impulsionará o crescimento da Alibaba e de nossos parceiros", disse o diretor de tecnologia, Jeff Zhang.

O Alibaba, com suas raízes no e-commerce, ramificou-se em serviços de nuvem e aplicativos de IA que vão de anúncios segmentados e opções de compras até reconhecimento facial.

Falando à revista "MIT Technology Review", Felix Liu, chefe de experiência do cliente da Alibaba, disse que a empresa começou a usar a IA para aplicações relacionadas aos clientes há dois ou três anos. Hoje, afirmou, a IA ajuda a responder todas as perguntas dos clientes e, na metade dos casos, as resolve completamente.

A gigante chinesa e suas afiliadas passaram por um rápido processo de expansão no ano passado, o que as levou a uma competição direta com a varejista on-line norte-americana Amazon.com e com empresas globais de pagamentos, nuvem e logística.

O investimento também acontece no momento em que Pequim está dando prioridade ao financiamento estatal em computação quântica, inteligência artificial e processamento de grande volume de dados (big data), ao pedir que governos de províncias, universidades, Exército e empresas particulares desempenhem um papel maior no desenvolvimento dessas tecnologias em áreas em que a China está atrás de países desenvolvidos.

A meta do governo é que a China seja líder mundial em IA até 2030.

O Alibaba emprega atualmente 25 mil engenheiros na equipe e disse que a nova infraestrutura de pesquisas irá ajudá-lo a atingir sua meta de dois bilhões de clientes em duas décadas.

Em valores absolutos, a montadora alemã Volkswagen liderou, no ano passado, um ranking da União Europeia de maiores investidores em pesquisa e desenvolvimento, com 13,6 bilhões de euros destinados à área. Em segundo, apareceu a sul-coerana Samsung, com 12,5 bilhões de euros, seguida pelas empresas norte-americanas de tecnologia Intel, Alphabet e Microsoft, com 11 bilhões de euros por ano. 


Quarta, 11/10/2017 12:57.


publicidade






publicidade





Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br