Jornal Página 3
Cultura

Álbum de inéditas celebra 20 anos de carreira da compositora catarinense


Agora Balneario

Mais de mil contabilistas estão inscritos no encontro  


Saúde

Incidência da doença tem aumentado no sul e sudeste


Saúde

Exame é fundamental para identificação precoce do câncer de intensito


Geral


Cultura

Já foram 50 livros publicados e mais de duas décadas de coluna no Página 3


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


publicidade

Defesa de corruptos é tentar desacreditar quem os investiga, diz Janot
FramePhoto/Folhapress.

REYNALDO TUROLLO JR.
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse nesta terça-feira (12) que, diante das fartas provas de corrupção coletadas pelo Ministério Público, só resta aos investigados tentar "desacreditar" os investigadores.

"Nunca se viu, em toda a nossa história, tantas investigações abertas, tantos agentes públicos e privados investigados, processados e presos. As instituições estão funcionando", disse Janot.

"As reações também têm sido proporcionais. Como não há escusas pelos fatos descobertos, tantos são os fatos e tão escancaradamente comprovados, que a estratégia de defesa não pode ser outra senão tentar desconstituir, desacreditar a figura das pessoas encarregadas do combate à corrupção."

Janot participou do lançamento da campanha Todos Juntos Contra Corrupção, na sede do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), em Brasília.

"O enfrentamento à corrupção nos últimos anos foi alçado a prioridade na atuação do Ministério Público brasileiro", disse o procurador-geral, cujo mandato termina no próximo domingo (17).

Janot não citou nomes nem casos concretos ao falar sobre a corrupção. Nos últimos dias, ele tem sido alvo de críticas de políticos devido às novas revelações sobre o acordo de delação de executivos da JBS.

Há suspeitas de que um ex-auxiliar de Janot, o ex-procurador Marcello Miller, tenha atuado em favor da JBS durante a elaboração do acordo de delação com a PGR (Procuradoria-Geral da República), entre fevereiro e março deste ano. Miller pediu exoneração em fevereiro, mas só foi oficialmente desligado do Ministério Público em 5 de abril.

Depois de deixar a carreira de procurador, Miller passou a trabalhar no escritório de advocacia Trench Rossi Watanabe, que negociou parte do acordo de leniência (de pessoa jurídica) da JBS. O ex-procurador tem negado irregularidades em sua atuação.

No evento desta terça, Janot disse que "com certeza muitas pernas tremem" ante o trabalho de combate à corrupção que vem sendo desenvolvido. "A corrupção aniquila vidas, sonhos e a esperança de dias melhores", declarou.

CAMPANHA

A campanha Todos Juntos Contra Corrupção é uma iniciativa de várias entidades sob coordenação do CNMP. Procuradores anunciaram o lançamento de editais para selecionar iniciativas educacionais para promoção da cidadania e de uma cultura de intolerância à corrupção.

Também foi lançada uma campanha publicitária, com várias peças que serão divulgadas em veículos de imprensa e institucionais.

Em sua fala, Janot disse considerar a educação um dos caminhos para prevenir a corrupção e elogiou a atividade da imprensa, que dá transparência às investigações em curso.

O ministro da Transparência e Controladoria Geral da União, Wagner Rosário, o presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Raimundo Carreiro, e autoridades do governo do Distrito Federal também participaram do evento no CNMP. 


Terça, 12/9/2017 12:52.




publicidade




Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br