Jornal Página 3
Colunistas
Cidade

Pontos de milho e churros precisam se adequar às normas sanitárias para continuar funcionando  


Política

Houve muita discussão e até pedido de retirada do projeto


Cidade

Ele lança campanha nacional de atrativos do Sul do país 


Cultura


Geral


Cidade

Data será comemorada neste sábado (26), com um jantar no Complexo Cristo Luz.


Agora Balneario

São esperadas quase duas mil pessoas de diversos países


Cidade

Com isso o município passará a gerenciar o uso e a ocupação 


Publicidade

Empresa desponta também no atendimento ao atacado  


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


Geral

Saída será no dia 28


Pai da reunificação, ex-chanceler alemão Helmut Kohl morre aos 87
Arquivo JP3/Folhapress.

JOÃO BATISTA NATALI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-chanceler alemão Helmut Kohl, arquiteto do processo de reunificação da Alemanha em 1990, morreu nesta sexta-feira (16), aos 87 anos, em sua casa na cidade de Ludwigshafen.

Kohl chefiou a Alemanha Ocidental de 1982 a 1990 e, até 1998, governou a Alemanha reunificada, tornando-se o chanceler democraticamente eleito que permaneceu por mais tempo no poder –no poder desde 2005, Angela Merkel, de quem Kohl foi mentor, pode se igualar a ele se vencer as eleições em setembro.

Reconhecido também por sua influência na adoção do euro pela Alemanha, Kohl era o patriarca de seu partido, a CDU (União Democrática Cristã), de Merkel. "Estamos de luto. Descanse em paz", escreveu a CDU em sua conta em uma rede social.

A saúde de Kohl estava debilitada desde que ele sofreu uma queda, em 2008, e passou a usar cadeira de rodas. Um derrame também limitou seus movimentos.

REUNIFICAÇÃO
Um dos bordões da política diz que grandes mudanças são quase sempre operadas por dirigentes conservadores. A reunificação da Alemanha Kohl é dos casos mais típicos.

É bem verdade que não coube a ele, como chanceler, provocar a implosão do comunismo, castelo de cartas que caiu juntamente com o Muro de Berlim, levando pouco depois à dissolução da União Soviética. Essa sucessão dramática de episódios pôs fim ao chamado "socialismo real" no Leste Europeu.

Mas Kohl foi responsável pela delicada operação que reativou o mapa do Estado alemão unificado, costurado por Otto Von Bismarck, em 1871, e que se dividiu em duas Alemanhas após a queda de Hitler, em 1945.

Paradoxalmente, a imagem pública de Helmut Kohl foi manchada um ano depois de sua saída do governo. Foi quando a mídia revelou a existência de um caixa dois com a qual a CDU financiou suas campanhas nos anos 80 e 90. Kohl, a princípio, disse não ter conhecimento de irregularidades.

Mais tarde, admitiu que cerca de 2 milhões de marcos (a moeda alemã à época, algo em torno de US$ 1 milhão) em doações não foram devidamente declarados durante seu governo. O partido pagou multa pesada, e Kohl teve sua reputação abalada.

Ele renunciou em 2000 à presidência de honra da CDU –fazendo justamente emergir o nome de Merkel, que foi ministra em seu gabinete– e passou os últimos anos de sua vida num programado e discreto anonimato.

Mas o ponto alto de sua biografia permanecerá a reunificação, desencadeada, no fim de 1989, pelo colapso da Alemanha Oriental (descendente da zona de ocupação soviética, em 1945) e pela queda do Muro de Berlim.

Internamente, Kohl se viu diante de um complicado quebra-cabeças, que era o de reintegrar à República Federal a então Alemanha Oriental, território economicamente assistencialista e ineficiente, segundo as fórmulas generosas do comunismo.

Sua principal decisão foi a de reconhecer a paridade entre o marco ocidental e o marco oriental, que no mercado negro valia três vezes menos.

Era uma forma de assumir o prejuízo monetário para que os orientais tivessem o mesmo poder de compra no capitalismo reinstituído em seus territórios.

Em termos externos, a questão era a de gerir a imagem de uma Alemanha que passaria a ser a incontestável maior economia da União Europeia. Nesse momento, Kohl recebeu o sinal verde e o estímulo do então presidente da França, o socialista François Mitterrand (1916-1996).

A França abria mão da disputa pela hegemonia europeia, em favor de seu grande aliado e ex-inimigo histórico, desde a guerra franco-prussiana de 1871.

Helmut Kohl nasceu em Ludwigshafen, no Estado da Renânia-Palatinado, numa família católica. A religião o levou à juventude da CDU ainda como secundarista.

Continuou a militar ao entrar para a Universidade de Heidelberg, onde se formou em história e ciências políticas e fez doutorado. Jovem executivo numa indústria química da cidade em que nasceu, elegeu-se vereador em 1960. Foi o início de uma carreira que o levaria, em 1969, ao cargo de governador da Renânia-Palatinado.

Indicado por seu partido como candidato a chanceler, em 1976, foi derrotado pela coalizão de centro esquerda, de Helmut Schmidt. Tornou-se, então, líder da oposição no Bundestag (Parlamento). O social-democrata Schmidt caiu em outubro de 1982 após perder um voto de confiança parlamentar, e Kohl, aliado aos liberais, tornou-se chanceler. As eleições parlamentares do ano seguinte solidificaram seu poder, em aliança com a CSU, a União Social-Cristão da Baviera.

Kohl se dispôs a pagar o alto preço da modernização da ex-RDA (comunista) em quase todos os setores: estradas e sistema de transportes, habitação, parque industrial. E, numa consequência natural da reunificação, foi Kohl que abandonou Bonn, junto ao Reno, e transferiu a capital para a reunificada Berlim. 


Sábado, 17/6/2017 7:11.




publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br