Jornal Página 3
Colunistas
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Enéas Athanázio
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Caroline Cezar
por Sonia Tetto
Policia

Ele já tinha sido baleado ontem, mas escapou  


Cidade

O clima está tenso entre as forças de segurança há tempos


Policia

 Não é a primeira vez que um guarda municipal armado, fazendo segurança privada fora do expediente, é abordado por PMs.


Justiça

Autores do processo fizeram alegações mentirosas 


Esportes

Lucas Sorín embarca sábado para a China 


Equilíbrio

O assunto ainda rende muitas dúvidas


Cultura

A peça fala sobre meio ambiente e o ingresso é gratuito 


Cultura

A entrada é franca


Policia

Vídeo feito pelos guardas mostra clima tenso em frente à delegacia


Publicidade

Leia a publicação do Convention Bureau 


Tecnologia

A programadora do Página 3 ensina o passo a passo


Procuradores retiram previsão de reajuste de 16% do orçamento
EBC.

REYNALDO TUROLLO JR.
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O CSMPF (Conselho Superior do Ministério Público Federal) decidiu por unanimidade, nesta quinta (10), retirar a previsão de reajuste salarial de 16,38% para procuradores da República da proposta orçamentária para 2018.

O motivo da retirada é que os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) aprovaram nesta quarta (9) uma proposta de orçamento para o próximo ano que não prevê reajuste salarial.

Como o salário do procurador-geral da República é igual ao dos ministros do Supremo -que, por sua vez, é o teto do funcionalismo público-, para que houvesse aumento para os procuradores, era preciso que o STF também tivesse previsto aumento.

O salário dos ministros do Supremo hoje é de R$ 33,7 mil. Com o reajuste desejado pelos procuradores iria para R$ 39,3 mil.

No mês passado, os procuradores incluíram na proposta orçamentária da instituição o reajuste de 16,38% a pedido da futura procuradora-geral, Raquel Dodge, que encampou o pleito da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).

Segundo a ANPR, o reajuste iria repor perdas com a inflação dos anos de 2014 e 2015, que ainda não foram compensadas.

A proposta orçamentária original, elaborada pela equipe do atual procurador-geral, Rodrigo Janot, não previa reajuste sob o argumento de que a aprovação da PEC 95, que estipulou um teto de gastos para os serviços públicos, criou sérias restrições.

A sessão extraordinária do conselho nesta quinta foi convocada de última hora por Janot para rediscutir a proposta orçamentária aprovada em julho.

Tanto o presidente da ANPR, José Robalinho, como Dodge, que eram favoráveis ao reajuste, agora concordaram que a decisão do Supremo inviabilizou o reajuste pretendido pelo MPF, porque os procuradores não podem pleitear um salário que estoure o teto.

A nova proposta orçamentária tem de ser encaminhada pelo MPF ao Poder Executivo até a próxima terça-feira (15). Para entrar em vigor, precisa passar pelo Congresso.

Dodge substituirá Janot no comando da Procuradoria-Geral da República a partir de 18 de setembro. 


Quinta, 10/8/2017 11:45.




publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br