Jornal Página 3
Bolsa brasileira emenda quarta alta com exterior e alívio político

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Influências externas positivas e um cenário político mais ameno favoreceram a quarta alta seguida da Bolsa brasileira, que renovou nesta quinta-feira (13) o maior patamar em quase dois meses. No mercado cambial, o dólar fechou praticamente estável, cotado a R$ 3,21.

O Ibovespa encerrou o dia com alta de 0,53%, para 65.178 pontos. É o maior nível desde 17 de maio, quando foi divulgada a notícia da delação do empresário Joesley Batista, que mergulhou o governo em uma crise política. O volume financeiro negociado foi de R$ 7,384 bilhões. A média diária do ano no pregão é de R$ 8,14 bilhões.

O dólar comercial teve leve alta de 0,06%, para R$ 3,210. O dólar à vista, que fecha mais cedo, encerrou com queda de 0,25%, para R$ 3,208.

No cenário doméstico, o mercado aguardava a sanção do presidente Michel Temer reforma trabalhista, que ocorreu à tarde. Os investidores acompanhavam também a votação, na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), da denúncia da Procuradoria-Geral da República, segundo a qual o peemedebista cometeu crime de corrupção passiva no exercício do cargo.

Depois do fechamento do mercado, a comissão rejeitou parecer favorável à denúncia contra Temer.

Na tentativa de se manter no poder, Temer ofereceu a dirigentes de partidos como PP, PR, PSD e PRB os cargos atualmente ocupados pelo PSDB em seu governo para que essas siglas ajudem a salvá-lo na votação da denúncia apresentada contra ele.

Ignácio Crespo, economista da Guide Investimentos, avalia que ainda não está claro se a permanência do presidente é positiva ou negativa para a economia. "Mais importante é saber se a equipe econômica vai ser mantida, se será mantida essa agenda de que o Brasil precisa fazer reforma, se haverá uma articulação dentro do Congresso", diz.

"Se a permanência do Temer é suficiente para fazer avançar as reformas, está bom. Ao menos não representa ameaça de retrocesso na agenda reformista", complementa.

EXTERIOR

A Bolsa contou ainda com o contexto internacional positivo, com um apetite maior de investidores a risco após o discurso da presidente do banco central americano, Janet Yellen, indicando aumento gradual dos juros nos Estados Unidos. Ela falou nesta quinta no Congresso e destacou que o crescimento de 3% do país é "desafiador".

As notícias positivas envolvendo commodities, com a alta dos preços do petróleo e do minério de ferro, não ajudaram as ações de Petrobras e Vale, que caíram.

Os papéis mais negociados da Petrobras recuaram 0,54%, para R$ 12,87. As ações que dão direito a voto encerraram com queda de 0,22%, para R$ 13,55.

No caso da mineradora, as ações sofreram um baque maior. Os papéis preferenciais da Vale se desvalorizaram 2,35%, para R$ 27,42. As ações ordinárias tiveram baixa de 2,41%, para R$ 29,18.

No campo positivo, as ações da JBS dispararam 9,39%, após a Justiça liberar a venda de ativos da companhia. Com dívidas de cerca de R$ 50 bilhões, a companhia de alimentos precisa vender parte de seus negócios para quitar empréstimos, renegociar financiamentos com bancos credores, e manter o ritmo de suas operações.

Também circularam informações de que a JBS estaria perto de refinanciar com credores R$ 18 bilhões de dívidas que vencem em um ano.
Outro destaque positivo foram as ações do Bradesco, que subiram após o banco anunciar programa de demissão voluntária. Os papéis preferenciais do Bradesco subiram 0,88%, e os ordinários avançaram 1,13%.

Ainda no setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco avançaram 0,27%. Os papéis do Banco do Brasil tiveram alta de 0,90%. As units -conjunto de ações- do Santander Brasil fecharam estáveis.

CÂMBIO

O Banco Central deu continuidade às intervenções no mercado cambial e vendeu 8.300 contratos de swaps (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). A autoridade monetária está rolando os contratos que vencem em agosto. Até agora, já rolou US$ 1,660 bilhão do total de US$ 6,181 bilhões que vence no mês que vem.

O CDS (Credit Default Swap, espécie de seguro contra calote) recuou 0,54%, no quinto dia de baixa.

No mercado de juros, os contratos fecharam com sinais mistos. As taxas dos contratos que vencem em janeiro de 2018 recuaram de 8,720% para 8,715%.

Os contratos para janeiro de 2019 subiram de 8,640% para 8,650%. 


Quinta, 13/7/2017 18:03.




Cidade

Todos os moradores têm direito a voto 


Cidade

Conclusão da obra e licitação para concessão devem ocorrer até o final deste ano 


Geral

Algumas cidades do Estado estão em situação de emergência 


Geral

Cada um ganhou 3 ingressos completos para o teleférico 


Saúde

Campanha acontecerá nesta sexta-feira (28) 


Saúde

Guia da Sociedade Brasileira de Pediatria será lançado nesta quinta-feira 


Cidade

Evento aberro ao público, domingo, às 8h30, é promovido pela Embraed 


Publicidade

Acompanhados de um adulto pagante os pais têm passe livre para um final de semana inesquecível  


Cultura

Espetáculo será no dia 5, no Tetaro Municipal de Itajaí 


Cultura

Evento acontecerá de 8 a 11 de agosto no Mercado Público de Itajaí 


Cidade

Envie também a foto dos seus netos ou netas nesse Dia dos Avós 


publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br