Jornal Página 3
Coluna
Economia & Negócios
Por Augusto Cesar Diegoli

Economia na semana

Arte no vestuário
Os detalhes de como o Vale do Itajaí se tornou pioneiro e o principal polo de produção têxtil da América Latina estão retratados no livro Arte e Técnica do Vestuário em Santa Catarina. A obra faz um elo entre a história do Estado, a cultura dos imigrantes que colonizaram as regiões e traça um paralelo de tudo isso com o ciclo industrial. A influência dos artesões, o empreendedorismo e a cadeia produtiva de moda no Brasil também ganham espaço no livro, que faz o leitor imergir na história do segmento que há 130 anos faz parte da economia catarinense.

Quarta revolução industrial
Uma fábrica onde todas as máquinas estão interligadas, trocam informações em tempo real e dão ordens de produção a partir de uma programação previamente definida, dispensando o uso de mão de obra humana. Esta pode ser considerada uma definição simples da indústria 4.0, também chamada de quarta geração industrial. Simples porque os efeitos deste novo modelo de negócios vão além do processo produtivo, impactando também o modo como as empresas se planejam e atendem o mercado. A cadeia têxtil ainda tenta se adaptar a essa tendência, que já está avançada em outras áreas.

Reconhecimento internacional

Foram 11 concorrentes na categoria BestFashion, de todo o mundo, no Mercedes Benz Bokeh Fashion Film Festival. Do Brasil, exclusivamente a WJ Acessórios, de Brusque, estava concorrendo, e foi justamente quem trouxe a estatueta para casa. A empresa brusquense teve o fashion film dirigido por Delai & Renne Castrucci, numa produção que descreve quem é Athena, uma mulher da Califórnia, que vive em Nova York, onde a produção ocorreu.

Preparação dos herdeiros
Com mais de 90% das associadas de perfil familiar, a Associação de Distribuidores e Atacadistas Catarinenses (Adac), que tem sede em Itajaí, encontrou um jeito interessante de preparar os herdeiros do negócio. Os sucessores participam de diversas etapas de formação para gerir a empresa da família. A última delas foi ciceroneada pelo empresário Luciano Hang, da Havan, que apresentou seu modelo de gestão nas unidades de Brusque e Barra Velha.

Impacto
O prejuízo de R$ 6,18 bilhões da tal de Santa Catarina Participações e Investimentos (Invesc), conforme balanço de 2016 que acaba de ser publicado, representa três meses inteiros de arrecadação bruta do Estado. Se essa conta tivesse que ser bancada hoje, cada um dos 7 milhões de catarinenses teria que desembolsar R$ 893. Uma verdadeira loucura.

Toalhas Teka
A nova coleção da empresa licenciada da marca Hugo Boss é formada por produtos produzidos pela Teka, de Blumenau. Conhecida pela venda de peças sofisticadas e de alta qualidade, a empresa alemã terá toalhas de praia produzidas pela Teka em sua nova coleção Primavera/Verão 2017. Os produtos foram solicitados por Olivier Desforges, empresa francesa que é licenciada da marca Hugo Boss, e já foram enviados ao país europeu para distribuição.

Aleluia
Finalmente o contribuinte será dispensado de bancar a continuidade de duas empresas públicas estaduais. Está pronto para votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de lei do Executivo que extingue a Cia. de Desenvolvimento do Estado de SC (Codesc) e a Cia. de Habitação (Cohab-SC). O passivo das duas, até 2015, foi de R$ 250 milhões.

Certificação
O mundo do vinho em Santa Catarina está mais que orgulhoso. A uva da variedade Goethe e o vinho homônimo acabam de ganhar certificação internacional e assim integrar o catálogo mundial “Arca do Gosto”, da organização SlowFood. O catálogo identifica, localiza, descreve e divulga os sabores especiais do mundo.

Negócios com o Exército
As oportunidades que o setor de defesa brasileiro, especialmente as Forças Armadas, oferece à indústria catarinense foram apresentadas durante seminário na Federação das Indústrias (Fiesc). O Exército, por exemplo, anualmente compra uma série de produtos e serviços, que vão de alimentos e vestuário até munição.

Suínos vivos
A Secretaria da Fazenda esclarece: o governo estadual não revogou nenhum decreto restabelecendo alíquota de 12% para a venda de suínos vivos. O decreto de redução da base de cálculo de 12% para 6% teve seu prazo expirado em dezembro de 2016 e apenas não foi prorrogado. Acrescenta que o governo sempre foi parceiro dos produtores nos momentos mais críticos do setor e que por ora não existem motivos que justifiquem nova redução. Na atual conjuntura incentivaria nossos produtos a migrarem para a indústria de outros Estados. Com a redução, o suíno vivo vai a 6% para São Paulo, agrega valor, e volta com ICMS de 12%.

Pequeno avanço
O indicador de recuperação de crédito da Boa Vista SCPC mostra alta de 1,7% no primeiro trimestre de 2017. Em 12 meses, de abril de 2016 até março de 2017, o aumento foi de 1,4%, mas na comparação com o primeiro trimestre de 2016, a queda é de 9,1%.

Dudalina
O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Blumenau demonstra preocupação com o futuro da tradicional camisaria Dudalina. Segundo o sindicato a comunicação com os diretores ficou mais difícil depois que a empresa foi vendida para a varejista de moda Restoque, que transferiu o comando agora para São Paulo. De acordo com o líder sindical, os novos donos já anunciaram que vão transferir gradualmente o setor de expedição da unidade de Blumenau para a nova fábrica em Aparecida de Goiânia (GO) ainda neste ano. O receio do sindicato é de que haja um plano da Restoque de desativar por completa, aos poucos, a unidade de Blumenau.

Recuperação
O governador de SC enxerga sinais de recuperação na economia catarinense. Listou os fatores determinantes para ter essa compreensão: 1) O nível de emprego vem melhorando, com maior número de admissões do que demissões; 2) A arrecadação estadual cresceu 5% em março, na comparação com igual mês de 2016; 3) As exportações aumentaram 22% no primeiro trimestre na comparação com janeiro-março do ano passado; 4) A safra agrícola é a melhor da história recente. A estrutura econômica começou a se mover, destaca o governador.

Schlosser
Duas propostas para aquisição dos imóveis da Cia. Industrial Schlosser estão sendo avaliadas. Uma das propostas é da Imobiliária Moresco, no valor de R$ 22 milhões, pagos à vista, ou R$ 24 milhões, pagos em quatro parcelas iguais de R$ 6 milhões. A empresa coordena a formação de um fundo de investimentos para comprar a área. A outra proposta foi apresentada pela Oregon Administradora de Shopping, de Brusque, no valor de R$ 28 milhões, pagos em parcelas no período de 66 meses. Os credores da Schlosser decidirão, em assembleia marcada para 23 de maio, se aceitam ou recusam as propostas para aquisição dos imóveis da empresa, que está em recuperação judicial desde 2011, por problemas financeiros.

Advogados se queixam
O presidente da seccional da OAB/SC, Paulo Brincas, observa com tristeza alguns profissionais experientes fechando seus escritórios por causa da crise. “Com a economia crescendo rápido já seria complicado, porque o número de advogados também cresceu. Com a recessão, ficou mais difícil”, analisa. Como o Brasil é um dos países com mais advogados per capita do mundo e novos advogados são formados em grande escala todos os anos, o valor médio dos honorários e dos salários tende a cair. Hoje são quase 34 mil advogados no Estado. O mercado está saturado. Somente em 2016, tivemos em Santa Catarina 3,3 mil novos advogados inscritos.

Clínica popular
Com a inauguração de uma unidade em Itajaí, a Viver 10 já mira o mercado na região. O município também deve receber, ainda neste ano, uma clínica de atendimento popular da rede. O espaço, garante a empresa, oferece consultas e exames a preços mais acessíveis: R$ 90 para um clínico geral e R$ 100 para as demais especialidades.

Ensino religioso
O ensino religioso, que aparecia até a segunda versão da nova base curricular, foi excluído nesta versão, o que provocou reação. A CNBB enviou uma carta ao Conselho Nacional de Educação em que afirma que a omissão do ensino religioso na 3ª versão da base curricular é “inconstitucional”, uma vez que a disciplina é exigida na Lei de Diretrizes e Bases (LDB). O MEC afirma, no texto da base, que a área foi excluída justamente para atender a LDB.

Representatividade
Ainda embrionário, está começando por Tubarão um movimento muito saudável envolvendo entidades representativas da sociedade organizada para que se valorize o voto em candidatos da própria região nas eleições de 2018 à Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados. Há regiões de SC onde a desunião as deixa em plena orfandade de representação política no parlamento estadual e federal. Brusque é exemplo disso na Câmara Federal. A região do Vale do Itajaí Mirim tem plenas condições de ter seu deputado federal.

Procon alerta
A taxa média de juros do cheque especial foi mantida em 13,53% ao mês, entre os seis bancos pesquisados: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú, Safra e Santander. A taxa fica em 358% ao ano, considerada elevada.

Fim da contribuição sindical
O relatório da reforma trabalhista deve prever o fim da contribuição sindical. A intenção é tornar o mercado adequado ao tempo em que estamos vivendo. Serão mais de cem propostas de mudanças na CLT. Entre as alterações mais polêmicas está o fim da contribuição sindical obrigatória. Segundo o relator “é resquício do fascismo na nossa relação trabalhista. Isso permite a criação de sindicatos que não atendem os interesses de seus sindicalizados. São R$ 3,6 bilhões por ano com caráter de imposto”.

Cultura da sentença
O Judiciário brasileiro precisa abandonar a “cultura da sentença” para ser uma instância que encontra soluções para conflitos entre pessoas, defende o ministro Dias Toffoli, do STF. Ele foi palestrante de um evento da Universidade de Harvard sobre métodos consensuais de resolução de conflitos. Segundo o ministro, ainda prevalece no Brasil a “visão míope de que a Justiça é uma instância para resolver processos”. O foco não deveria ser quem perde e quem ganha, quem está certo e quem está errado, mas a pacificação do conflito da forma que melhor atender aos interesses dos envolvidos.

Pente-fino nos auxílios
Os beneficiários de auxílio-doença que foram convocados para o pente-fino do INSS e não compareceram à perícia devem ter o benefício cortado. O governo deve publicar nos próximos dias um edital de convocação para os segurados que não responderam aos chamados anteriores. Os convocados fazem parte do primeiro grupo de revisão: são os segurados que recebem auxílio-doença, não fizeram perícia nos últimos dois anos e têm até 49 anos. Esta será a última oportunidade que esse grupo tem de comprovar, antes do corte, que possui direito ao auxílio. Na convocação, será definido um prazo para agendar o exame. Quem não aparecer fica sem o benefício.

Sem carteira assinada
O governo discute uma lei para estimular a criação de empregos para aposentados com 60 anos de idade ou mais. Para isso, as empresas teriam permissão para contratar esses idosos por hora, sem fazer os recolhimentos de INSS e FGTS. O projeto, chamado Reta (Regime Especial para Trabalhador Aposentado), está em estudo na Casa Civil. O idoso contratado pelo Reta teria carga horária máxima de oito horas por dia e de 25 horas por semana. O trabalho poderia ser realizado em dias alternados ou somente uma vez por semana, desde que fossem respeitadas as cargas horárias estabelecidas pela lei. Neste caso, os aposentados perderão direitos.

Novo tipo de demissão
A reforma trabalhista traz um novo modelo de demissão: empresa e empregado podem rescindir contrato em comum acordo, com pagamento de metade da multa e do aviso-prévio, mas sem direito ao seguro-desemprego. O projeto também prevê acesso a 80% do saldo da conta do FGTS nesse tipo de desligamento. Hoje, o contrato pode ser rompido a pedido do trabalhador ou do empregador. No primeiro caso, não há indenização, o saldo do FGTS não é liberado e, caso o empregado não cumpra o aviso-prévio, ele é descontado das verbas rescisórias.

Aposentadoria sem desconto
A proposta reduz de 49 anos para 40 o tempo total de contribuição ao INSS para o trabalhador conseguir o benefício sem desconto. O relator estuda alterar a fórmula de cálculo das aposentadorias propostas pelo governo. A mudança deve ser feita para evitar uma das principais críticas à reforma: a de que são necessários 49 anos de contribuição ao INSS para ter direito ao benefício integral. A proposta diminui esse tempo para 40 anos. Ela também é mais vantajosa para quem não quiser esperar pelo benefício sem desconto.

Aposentadoria após a reforma
O trabalhador com mais de 50 anos (homem) ou 45 (mulher) poderá escolher o benefício caso já tenha contribuições suficientes. Quem já tem o direito à aposentadoria manterá essa vantagem quando as novas regras valerem, mesmo que não tenha pedido o benefício. Assim, poderá escolher aposentadoria pela lei antiga ou pela nova.

Resultado da perícia médica
O segurado do INSS que passa por perícia médica agora é informado no mesmo dia sobre o resultado do exame. O serviço funciona por meio da internet ou por telefone. A informação fica disponível no site www.previdencia.gov.br pela central telefônica 135 a partir das 21h da data em que a perícia foi realizada.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 19/04/2017 às 09h29 | acdiegoli@gmail.com

publicidade





publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br