Jornal Página 3
Coluna
Mãe na Roda
Por Ana Paula Góis

Dia das mães na escola

Vi muita gente reclamando que algumas escolas não fizeram apresentação do dia das mães para não segregar os que não tem mãe ou por qualquer outro motivo. Sofri mais nas apresentações dos meus filhos pelos filhos que tem mães e pais ausentes, do que sofri pelos órfãos.

Não sou fã dessas apresentações e fica fácil pra mim aprovar que elas não existam. As crianças deviam apresentar o que realmente aprenderam e querem mostrar e não músicas escolhidas e ensaiadas a duro custo pel@s profes que já não tem tempo suficiente para passar conteúdo ou simplesmente ter um tempo livre com os pequenos.

Já vi crianças apresentando músicas que não sabem o que dizem, que não conhecem o cantor ou autor e nem mesmo entendem o que estão falando. Já vi apresentações musicais em escolas que sequer tem aula de música ou dança. Aprendem a ler, a escrever, a repetir e apresentam uma música. Não sei você, mas eu chamo isso de hipocrisia.

Meu filho mais velho estudou numa escola muito querida e transformadora de nossa cidade. Lá no quintal (a escola chama Quintal Mágico, mas os familiares chamam carinhosamente de 'quintal') não tinha apresentação dos pais e nem das mães, e acho que as mães que precisam de 'apresentações' para se sentirem homenageadas deviam por seus filhos a estudarem em escolas que proporcionam isso. Lá na semana do dia das mães e/ou dos pais eles ofereciam oficinas que eram realmente dedicadas a somar alguma coisa na vida da família. Fiz lá, por exemplo, uma oficina de canto no dia das mães e uma de pipa no dia dos pais (já que o pai do meu filho não tinha tempo ou vontade pra isso)... não teve constrangimento para ninguém e ninguém se sentiu 'desvalorizado' por falta de uma apresentação.

Lá no Quintal, tinha a festa da família, que acontecia em uma data qualquer, onde tinham algumas apresentações sim, mas ficávamos por lá, em família, nos conhecendo, tomando um chimarrão com outros pais, fortalecendo o vínculo familiar.

Vi também homens reclamando que as mães não foram homenageadas e a solução para este problema é mais simples do que parece: escolha uma música, faça uma coreografia, ensaie com seus filhos e apresente para a mamãe!

Tem muita coisa que acontece nas casas, nas famílias, nas escolas que são tidas como normais. Pra quem acha que normal é bom, tudo bem... eu prefiro o natural ao normal... sempre que me deparo com uma regra, um paradigma ou algo que norteia nosso caminho prefiro perguntar se é "natural" e não se "normal" porque o normal é cultural e nem sempre é a melhor escolha.

Deixo aqui nesse link um texto que peguei numa rápida busca no Google sobre ser normal e normose. Leia, reflita e se livre das amarras da escola, das repetições e normatizações, porque bem melhor do que o normal é o natural.

Escrito por Ana Paula Góis, 15/05/2017 às 14h28 | conviteecia@hotmail.com

publicidade





publicidade









Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br