Jornal Página 3
Coluna
Falando nisso
Por Marlise Schneider

Colunas, fonte inesgotável de conhecimento

Sempre gostei de ler colunas. Em jornais, em revistas, porque elas são sinônimo de opiniões.
Colunistas são formadores de opinião. Ou melhor, deveriam ser.

A coluna é um espaço sagrado para emitir o que o autor pensa sobre esse ou aquele assunto ou sobre assunto nenhum. Ele pode divagar. Viajar. Transmitir uma ideia. Um conceito. Uma receita. Um pensamento. O que quiser. Aquele espaço é livre, é sagrado, é seu. Até para escrever bobagens, afinal quem vai aprovar ou não é o seu público leitor. Só não pode ser um copiador de release e hoje em dia, isso acontece muito, cada vez com mais frequência, porque assessores de imprensa, contratados por empresas, restaurantes, profissionais liberais, clínicas entopem os colunistas com releases e fotos e o que acontece - infelizmente - é que o leitor verá colunas iguais, com o mesmo texto, as mesmas fotos, só assinadas por pessoas diferentes...o que é desagradável e muito lamentável.

O Página 3 desde que nasceu, em julho de 1991, sempre abriu espaço para colunistas, para formadores de opinião. Eles foram e são até hoje importantes na construção das ideias, das notícias, das posições, dos argumentos, das defesas, das tolerâncias, das discordâncias, das coisas boas e das coisas ruins também.

Sou muito vigilante com colunistas. Aprendo muito com eles. Em qualquer nivel. Sejam eles de reconhecimento mundial, nacional ou local. Presto atenção em especial aos nossos colunistas.

Esta semana por exemplo fiquei duplamente feliz por conta de dois colunistas: o Oliveira Brandão, que assinou uma coluna sobre esportes já na primeira edição do Página3, em 26 de julho de 1991 e ficou escrevendo alguns anos neste jornal e esta semana foi homenageado pelos vereadores por seus 35 anos como radialista na praia (esqueceram de dizer que ele foi colunista também) e a estreia da coluna assinada pela Dra. Céres Felski da Silva que, além de médica competente e dedicada cultiva uma paixão forte pela literatura e com certeza nos ensinará muito.

Ao Oliveira Brandão mais um 'MUITO OBRIGADO' pelos anos em que escreveu coluna no Página 3 e à Dra.Céres um 'BENVINDA', com a certeza de que vem enriquecer nosso 'time'. 

Escrito por Marlise Schneider, 08/06/2017 às 09h20 | lisi@pagina3.com.br

publicidade

Faltando luz no túnel e mais ação

 Essa situação catastrófica em que o país e os brasileiros se encontram acabou me contagiando, fiquei até sem vontade de escrever, coisa que curto fazer desde sempre...porque a gente não sabe mais o que dizer...cada dia uma nova paulada...não tem cerebelo que 'guenta' tanta porrada, né mesmo?

Sinceramente, eu ando bem preocupada com o futuro, com o que ainda vai desabar sobre nossas cabeças. Porque hoje temos um bando de larápios da mais fina estirpe enjaulados...outros tantos querendo endurecer o dedo pra amenizar os anos de cadeião...ainda tem aqueles que deduraram e seguem curtindo férias no exterior...um ex-presidente com pedido de prisão decretado...o atual presidente pendurado, apenas sobrevivendo e podendo cair a qualquer momento...junto com a outra ex-presidente...

Só se fala nisso. O que devemos fazer? Como proceder? Como saber o que vai acontecer? Se parar, o bicho pega. Se correr, o bicho come. Mas não pode tudo ficar parado. É preciso resolver.

Meu cumpadi que mora em São Paulo tá se mudando pra Portugal. Encheu os tubos. Meu irmão só fala que daqui a pouco vai morar no Uruguai, já tá ali pertinho...e aí?

Onde buscar ânimo se não se vê uma luz no fim do túnel?

O jeito é tentar seguir em frente desviando o rumo do pensamento. Pensar em outras coisas. Fazer outras coisas. Por exemplo: hoje começa a Semana do Meio Ambiente. É um bom exercício, pensar de que forma estamos fazendo a nossa parte. Estamos fazendo? É preciso acabar com a teoria...a palavra conscientização já encheu os tubos...todo mundo está consciente, mas tem que agir, na prática, porque a situação está bastante assustadora.

Hoje comecei o dia pensando nisso. Há muitos anos fazemos separação de lixo aqui em casa. Juntamos pilhas usadas. Guardamos material eletrônico para descarte correto. Separamos oleo usado para levar em pontos de coleta. Mas ainda é pouco.

Hoje decidimos aumentar nossa atenção em favor do meio ambiente. Coisas pequenas, mas que na prática vão ajudar bastante. Na real é uma mudança de hábito. Por exemplo: por que comprar copos de plástico se podemos tomar água em copos de vidro?

Escrito por Marlise Schneider, 05/06/2017 às 13h56 | lisi@pagina3.com.br

publicidade

Então vamos trabalhar...

 Em meio a tantas mudanças que estão acontecendo, com nossos prestimosos políticos decidindo sobre o presente e o futuro dos trabalhadores desse país...acho que nesse feriado do Dia do Trabalho ou Dia do Trabalhador temos que parar pra pensar, mas não só pensar e entristecer com tanta coisa que está acontecendo, mas pensar para achar uma luz no túnel.

Não é possível que pessoas de bem trabalhem o dia todo - e outros tantos procurando fazer a mesma coisa sem chance - e quando chegam em casa e ligam tevê, rádio, celular, internet e lá sei o que mais...só tem notícia de bandalheira, roubalheira, esses ladrões contumazes, de gravata, gente de 'prestígio', que estão lá no 'alto' - e muitos mandando no país - larapiando tanto dinheiro público.

Não podemos mais aceitar como se isso fosse normal.
Não podemos mais achar que 'é assim mesmo'.
Não temos outro jeito a não ser não votar mais nesse bando de larápios.
Chega.
Pensem nisso.
Não vote mais em que está te roubando.
Nunca mais.
Não tem outro jeito de limpar toda essa lama.
Segunda-feira, no seu dia, pare de trabalhar um pouquinho, dedique um tempo para decidir que teremos que colocar um FIM nesse lamaçal todo.

Escrito por Marlise Schneider, 28/04/2017 às 11h50 | lisi@pagina3.com.br

publicidade

Salve-se quem puder!

O feriado em Brasília começou dois dias antes.

A Lista de Fachin, não sei porque cada vez que ouço isso, lembro da Lista de Schindler...nem tem nada a ver...são motivações tão diferentes, mas igualmente apavorantes e absurdas.

O que eu acho? Não importa. Mas tenho uma curiosidade: vai sobrar alguém pra ocupar aquelas casas legislativas?

Cada dia vem mais uma enxurrada. O Bonner já começa dizendo que o negócio é tão grande que precisa ser publicado em capítulos, sob pena de produzir um noticioso só disso...

Em todo lugar que vou ouço falar em vergonha, nojo, que somos palhaços, idiotas...claro em meio a discussão da reforma previdenciária os legisladores abandonam suas funções apavorados com a lista...

Sinceramente? A cada dia aumenta a preocupação. Onde vamos parar? E outra coisa que não sai da cabeça um segundo sequer: quem está mandando nesse país há um bocado de tempo é uma empresa? É isso mesmo? 

E nesta semana santa o sentimento é de perdão. Foi isso que Jesus disse pendurado na cruz: Pai, perdoa-os porque não sabem o que fazem. Mas aqui esse pedido não cabe. Porque eles sabem muito bem o que fazem. E na minha humilde opinião, tem que pagar por isso. Com juros.

De qualquer forma, uma boa e reflexiva Semana Santa e uma Feliz Páscoa...

 

Escrito por Marlise Schneider, 13/04/2017 às 16h19 | lisi@pagina3.com.br

publicidade

Um dia para a história

Penso que este 6 de abril de 2017 vai marcar uma nova era para Balneário Camboriú.
Estamos avançando e o passo é grande para entrar em novos roteiros turísticos.

Hoje estamos falando do mar que trouxe até a nossa praia o primeiro navio cruzeiro e junto com ele uma forte animação. Eu diria emoção até.

A cidade e todos nós estávamos precisando de uma sacudida no bom sentido, principalmente depois dessa temporada meio em crise...que deixou um bocado de gente pra baixo...

É uma porta que se abre para o turismo nacional e mais tarde, também para o turismo internacional.

Quem entende do assunto diz que a cidade está pronta para seus visitantes.

Eu que entendo menos do que os entendidos acho que falta um pouco mais, principalmente despertar o sentimento de cidadania em cada um e de coletividade para que juntos possamos entrar de vez nesse amplo mercado internacional.

Balneário Camboriú está em festa. Marcando a entrada para um novo turismo que poderá nos beneficiar e nos surpreender. E muito!

Parabéns para todos que amam esta cidade!  

Escrito por Marlise Schneider, 06/04/2017 às 13h45 | lisi@pagina3.com.br

publicidade

Nossas águas pedem socorro!

Nesta quarta-feira o calendário assinala o Dia Mundial da Água, criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992, justamente para a sociedade refletir sobre o assunto.
É tudo um simbolismo, mas está mexendo com nossa realidade. Há muitos anos estamos falando sobre preservação, cuidados com a natureza que nos cerca, mudança de hábitos, o que devemos evitar para não piorar e o que precisamos fazer para ajudar a melhorar.

Estas datas simbólicas nos ajudam a pensar sobre o que realmente estamos fazendo pelo ar que respiramos, pela terra que nos alimenta, pela água que nos trouxe ao mundo...não esquecendo que é através dela que chegamos ao reino de Deus (batismo), é através dela que matamos nossa sede, limpamos nosso corpo, nossa casa, nossa roupa...sem ela não somos ninguém, não podemos substituir esse precioso líquido. Não é como a luz...se faltar podemos usar a luz solar...ou a luz de uma vela...

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), atualmente, 768 milhões de pessoas não têm acesso à água tratada, e como sabemos grande parte das fontes como rios, lagos e represas está sendo contaminada e degradada pela ação predatória do homem. A situação é preocupante, pois, num futuro próximo, esse precioso recurso natural pode faltar para grande parte da população mundial.
Daqui a 15 anos, segundo a ONU, mais da metade da população mundial, ou seja, perto de 3 bilhões de pessoas, sofrerá escassez de água. A organização também informa que hoje, a cada ano, morrem cerca de 1 milhão e 600 mil pessoas por dificuldades de acesso a água e falta de saneamento básico.

Em Balneário Camboriú ainda não corremos o risco de faltar água. Mas também estamos vivendo uma situação preocupante, que foi alvo de reportagem especial publicada no Página3 de fevereiro (e em centenas de reportagens desde que esse jornal nasceu há quase 26 anos).

Nossos rios, ribeirões, arroios, canais, estão contaminados e um dos principais contaminantes é o lixo que nós produzimos e do qual nos livramos, jogando-o dentro do rio, do ribeirão. Assistimos coisas incríveis boiando e sendo retiradas, como por exemplo, fogões, geladeiras, poltronas e armários. Nada disso tem pernas. Eles foram jogados pelo homem.

Acredito que falar em prevenção para quem já tem formado seus conceitos é chover no molhado. Tiro essa conclusão porque como falei acima há quase 26 anos estamos escrevendo sobre essa matança das nossas águas e parece que nada muda...

Por isso, acredito que devemos cada vez mais investir nas nossas crianças, ensiná-las, orientá-las nesse sentido para que cresçam com mais consciência e de fato ajudem a parar esses absurdos. Elas ajudarão a conscientizar os grandes. As nossas escolas são os canais e as famílias são a extensão. O importante é que as crianças tenham exemplos, que comecem nas suas famílias e continuem nas escolas...

Lembrando aqui uma afirmação do escritor João Guimarães Rosa: ‘A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba”.


Pra pensar:
*De quanta águia precisamos?
De acordo com a Organização das Nações Unidas, cada pessoa necessita cerca de 110 litros de água por dia para atender as necessidades de consumo e higiene. Porém, no Brasil, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros/dia. ou seja gastamos quase o dobro do que precisamos.

*Como gastamos tudo isso?
54 Litros (27%) - vão para cozinhar e beber
50 Litros (25%) - para tomar banho e escovar os dentes
66 Litros (33%) - são utilizados em descarga de banheiro
24 Litros (12%) - para lavagem de roupa
6 Litros (3%) - para outras tarefas (como lavagem de carro, por exemplo)

*O que gastamos em nossas rotinas domésticas:
? Banho – em um banho de ducha de mais ou menos 15 minutos, com o registro da torneira meio aberto, gastamos cerca de 135 litros de água. O ato de fechar a torneira ao se ensaboar faz o gasto cair para 45 litros.
? Escovação de dentes – escovar os dentes por cinco minutos com a torneira aberta gasta aproximadamente 12 litros de água. Quando a pessoa molha a escova, fecha a torneira ao escovar os dentes e usa um copo de água para enxaguar a boca chega a economizar até 11 litros de água.
? Lavar o rosto – As pessoas geralmente levam um minuto para lavar o rosto com a torneira aberta. Nisso lá se vão dois litros e meio de água. Para se barbear, o tempo aumenta para cinco minutos e o gasto de água pode atingir 12 litros. A dica é fazer tudo mais rápido e sempre que possível, fechar a torneira.
? Vaso sanitário – Os vasos comuns, com válvula e tempo de acionamento de 6 segundos, geralmente gastam até 14 litros de água em cada descarga. Uma boa ideia é trocar por bacias sanitárias mais modernas. Desde 2001 há produtos que gastam apenas 6 litros de água cada vez que é acionado.
? Louças – Em média, lavar a louça com a torneira meio aberta durante 15 minutos gasta 117 litros de água. Uma maneira de diminuir esse consumo é ensaboar tudo o que tem de ser lavado e só abrir a torneira na hora de enxaguar. Uma máquina de lavar louça geralmente gasta 40 litros em cada lavagem. Por isso, ligue-a apenas quando estiver cheia.
? Copo de água – algo impressionante: ao utilizar um copo de água, você vai precisar do equivalente a dois copos para lavá-lo. Separe copos para todos os moradores usarem durante o dia, sem ficar pegando copos no armário o tempo todo.
? Tanque – Lavar roupa no tanque com a torneira aberta durante 15 minutos gasta cerca de 280 litros de água. Por isso, sempre aguarde juntar um bom volume de roupas, encha o tanque para ensaboar e abra a torneira só na hora de enxaguar. No caso da máquina de lavar, um modelo com capacidade para 5 quilos geralmente gasta 135 litros de água. Nesse caso, para economizar água sempre a use com a capacidade total.
? Jardim – Molhar as plantas durante 10 minutos usando a mangueira manda embora cerca de 186 litros de água. A melhor maneira de reduzir esse gasto é usar mangueiras com esguicho tipo revólver que gastam menos. Ou, o que seria ideal, usar um regador.
? Calçadas - 1 lavagem de calçada com a mangueira por 15 minutos gasta 279 litros de água

E não se esqueça: os vazamentos geram grande desperdício de água. Se desconfiar de vazamentos, procure ajuda imediatamente.

Escrito por Marlise Schneider, 22/03/2017 às 08h58 | lisi@pagina3.com.br

publicidade





publicidade



1 2 3 4 5 6 7






Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br