Jornal Página 3
Coluna
Dedo na Moleira
Por Waldemar Cezar Neto

Blitz de trânsito é atraso

 

Faz tempo que tenho vontade de escrever isso: blitz de trânsito é atraso.

Pega na maioria das vezes trabalhador sem dinheiro para pagar o IPVA; consumidores de pequenas quantidades de drogas e um ou outro otário o suficiente para dirigir embriagado.

Bandido barra pesada raramente cai em blitz.

Hoje de manhã alguns criticaram porque critiquei uma blitz no túnel na Avenida do Estado, comentaram que divulgar a existência e o local das blitze ajuda os larápios.

Minhas nove leitoras, cabeça não é só para usar chapéu.

As blitze são divulgadas rotineiramente nas redes sociais pelos malacos; muitos que têm Waze também divulgam e bandido que é bandido manda olheiro na frente, escuta o rádio da polícia...

Barreiras tecnológicas nas entradas e saídas da cidade, avisar em outdoors na BR-101 que Balneário Camboriú tem controle policial de entrada e saída é isso que vai espantar a bandidagem, fazer ela passar reto e ir azucrinar em outra freguesia.

Em maio de 2011 a prefeitura comprou 45 câmeras para leitura de placas de veículos, onde elas estão?

Se é possível instalar um equipamento que lê placas e dá no computador portátil o histórico de um veículo, qual a necessidade de parar centenas tentando encontrar o errado?

As barreiras nas entradas e saídas da cidade -que sempre defendi e vou continuar defendendo- podem e devem ser barreiras tecnológicas, que afastem os vagabundos.

Barreiras essas que às vezes podem sim se transformar em blitze humanas, de surpresa e até de forma móvel.

O vagabundo sabe que aqui não dá para entrar com carro frio porque tem o controle das placas; sabe que existem surpresas etc. então ele vai roubar em outro lugar onde os obstáculos ao seu “trabalho” sejam menores.

Barreiras tecnológicas, com semáforos de controle remoto para paralisar o trânsito em setores da cidade no caso de assaltos, grupos policiais de resposta tática em motocicletas circulando no trânsito retido de propósito...

Tem que pensar segurança de maneira diferente, usar a tecnologia a favor da polícia, portanto da sociedade.

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 17/01/2017 às 17h06 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

Pancadaria inaugural

Ontem os vereadores votaram o reajuste dos professores e dos demais servidores públicos e pelas espiadas que dei na TV, além dos Whats recebidos, deu pra ver que foi uma pancadaria em plenário entre situação e oposição.

Não prestei atenção porque estava no aniversário de quatro anos de uma amiguinha que é feliz por não ter que escutar conversa de políticos.
Num momento escutei os inefáveis Nilson Probst e Marcos Kurtz reclamando que o presidente Bob Jr. não respeitou a proporcionalidade das comissões ou coisa semelhante. Se está errado busquem o Direito na justiça.

A nova oposição, aparentemente em minoria, fez o que tinha que fazer, papagaiou que é injustiça os professores terem reajuste 1,13% menor do que os demais servidores.

Não é injusto, é a regra do jogo, a mesma regra que nos últimos cinco anos deu aos professores o dobro do reajuste que os demais receberam.

Claro a oposição tem que reclamar, mas fica aquela coisa vazia, tão vazia quanto o plenário da Câmara que estava às moscas.
 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 17/01/2017 às 08h23 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

Me liga Magali

Hoje de manhã tinha um dossiê passado por baixo da porta com dados relativos à delegada Magali.

Depois ligou um sujeito que não quis se identificar, fazendo acusações a ela.

Alegam que a Magali foi ímproba, se beneficiou do cargo em proveito próprio, baixando 18 multas aplicadas em veículos da família.

Só 18 multas? Ela é delegada aqui desde que a conheço, há anos e anos, e a acusação neste tempo todo é irregularidades em 18 multas?

Cheira mal. 

E cheira mal porque tudo que envolve polícia administrativa neste país, infelizmente, não cheira bem. São bem conhecidos de todos os jornalistas e profissionais do meio os boatos de propinas, caixinhas etc.

Multa de trânsito é um crédito do governo e um débito do cidadão.

Existe uma junta de recursos, a Jari; existe o controle da prefeitura e controle do estado.

Portanto, se ocorre fraude é possível que uma ou todas essas instâncias (Jari, prefeitura e estado) participem dessas fraudes ou deixem de controlar corretamente a parte que lhe cabe.

Liga para mim Magali, vamos colocar a conversa em dia porque quero entender como, numa instituição tão má afamada como é a delegacia regional de polícia, arranjaram só uma pessoa para crucificar.

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 13/01/2017 às 10h45 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

O samba bateu no nervo exposto

A agroindústria entrou em pé de guerra por causa de um samba-enredo do Carnaval carioca.

Em especial esse trechinho do samba da Imperatriz (Xingu o clamor que vem da floresta) que diz assim:

O BELO MONSTRO ROUBA AS TERRAS DOS SEUS FILHOS
DEVORA AS MATAS E SECA OS RIOS
TANTA RIQUEZA QUE A COBIÇA DESTRUIU

Não gostam nossos agroindustriais de escutar a verdade, temos uma agricultura e uma pecuária predatória, em grande parte ainda incapaz de construir sem destruir.

Gosto de tomates e quando como tento calcular quanto veneno estou ingerindo.

Quando minha mulher compra morangos digo a ela que existem formas mais baratas de se envenenar.   

LI ontem que a Amazônia perdeu 7.989 km² de floresta, o maior desmatamento desde 2008.

Dá vontade de chorar pela minha, a nossa impotência.

Está certa a Imperatriz, está certa a Leopoldinense e está certo o padre Miguel.

O BELO MONSTRO ROUBA AS TERRAS DOS SEUS FILHOS
DEVORA AS MATAS E SECA OS RIOS
TANTA RIQUEZA QUE A COBIÇA DESTRUIU

 

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 12/01/2017 às 13h51 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

Secretário do turismo está equivocado

Este visa lucro e isso é ótimo.

Ontem o secretário de turismo de Balneário Camboriú, Miro Teixeira, disse ao Página 3 que acha melhor o Centro de Eventos de Balneário Camboriú não ser administrado por uma empresa privada porque essas só visam lucro.

Talvez um misto entre privada e um conselho.

Achei a declaração curiosa vindo de um empresário competente e bem sucedido como é o Miro que só se tornou competente e bem sucedido exatamente por visar o lucro.

Governo é mau patrão, mau administrador, mau tudo; todos sabemos.

Se colocar um conselho passa a ser um mau patrão, mau administrador e mau tudo com dois ou três conselheiros despreparados, atrapalhando e pendurados no cofre público.

Há exemplos: já tivemos um excelente, revolucionário para a época, centro de eventos em Balneário Camboriú, ali mesmo onde está sendo construído este novo.

Aquele se acabou porque era administrado por uma empresa pública irresponsável, a Santur.

Não fui só eu que achei estranha a declaração do Miro. O administrador do Centrosul, o centro de eventos de Florianópolis, Leonardo Vieira, também achou e enviou uns números.

Lá a administração é privada, visa lucro e em 2016 os resultados foram os seguintes:

- 189 eventos (congressos técnicos científicos, seminários, palestras, feiras e shows).

- Mais de 383 mil congressistas passaram pelo Centrosul.

- A estimativa é que os congressistas tenham deixado mais de R$ 40 milhões em restaurantes, aluguéis de veículos, hotéis, lazer etc.

- A estimativa é que os eventos tenham deixado mais de R$ 50 milhões na contratação de serviços terceirizados como montadoras, telões, som, recepção, secretaria, internet, limpeza, alimentação, decoração, geradores, seguranças, filmagens, comunicação visual, brigadistas, impostos etc. etc.

O Miro é novo no serviço público, logo ele vai descobrir que não funciona.

Deixa com as empresas, elas funcionam.

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 11/01/2017 às 11h38 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

A culpa é do Córdova e seus sucessores

 

Em Bombinhas sempre falta água e dessa vez faltou de novo, 10 dias sem abastecimento.

Exatamente os 10 dias mais importantes do ano, quando a praia fica mais cheia, os alugueis mais caros etc.

Não é possível aceitar que uma das regiões turísticas mais bonitas do Brasil fique sem água porque governos foram e são incompetentes.

A água em Bombinhas ficou sob controle da Casan durante décadas e sempre faltou.

A cidade também não tem esgoto e desde agosto a prefeita Paulinha privatizou o sistema.

A tragédia de falta d´água e esgoto no Brasil iniciou com a ditadura militar que centralizou nos governos estaduais o saneamento básico.

A Casan foi criada em 1970, época do Médici, o governo militar que mais matou. Quem reclamasse apanhava, se reclamasse demais sumia, morria.

Só falta água no nosso litoral porque faltou vergonha e tutano a sucessivos governadores.

Temos, distantes 50 Km um do outro, dois enormes mananciais, o do rio Itajaí–Açu e o do rio Tijucas. Esse da foto acima.

Bastava passar um cano ao longo da BR-101, entre essas duas cidades, bombear e nunca mais faltaria água em Bombinhas, Porto Belo, Itapema, Camboriú, Balneário Camboriú e Itajaí.

O município plugaria, trataria e distribuiria, simples assim.

Uma bobagem sempre repetida por quem não usa a cabeça para pensar é que há escassez de água e por isso devemos economizar.

Asneira de ambientalista de araque, água é escassa onde é escassa, não aqui quando sempre que chove milhões de litros são desperdiçados, escorrem para o mar.

Somos uma das regiões mais privilegiadas do mundo no aspecto hídrico, nunca faltou água em nossos rios, faltou foi cérebro e responsabilidade social ao Colombo Salles e aos que o sucederam.

Foram eles Antônio Carlos Konder Reis; Jorge Bornhausen; Henrique Córdova; Esperidião Amin; Pedro Ivo; Casildo Maldaner; Vilson Kleinubing; Antônio Carlos Konder Reis; Paulo Afonso; Luiz Henrique; Pinho Moreira; Leonel Pavan e Raimundo Colombo.

Escrito por Waldemar Cezar Neto, 10/01/2017 às 14h11 | waldemar@camboriu.com.br

publicidade

1 2 3 4 5 6 7 8

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie neste site - Normas de Uso
© Desenvolvido por Pagina 3

Endereco: Rua 2448, 360 - Balneario Camboriu - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br