Jornal Página 3
Coluna
Crônica Semanal
Por João José Leal

Ano Novo, Feliz 2017

Já estamos vivendo os primeiros dias de um Novo Ano. O que passou, ninguém tem dúvida. Por conta dos desgovernos petistas, foi dos piores dos últimos tempos. E, se as previsões estão certas, a nação vai continuar colhendo os males da desastrosa administração marcada pela corrupção generalizada, gastos públicos sem responsabilidade fiscal, desemprego elevado e penúria para milhões de brasileiros.

Mas, o que fazer? Vamos ter que enfrentar este novo ano porque o tempo não pára. Aliás, para quem já chegou à velhice, como eu, o tempo corre rápido, com ou sem crise econômica e financeira. O fato é que a roda do tempo move-se sem parar, leva para frente nossas vidas e nos deixa mais velhos a cada momento, a cada dia, cumprindo o inevitável processo de desfolhamento gradativo de nossas existências.

Quando crianças, temos a impressão de que o tempo caminha lentamente. Principalmente, nos períodos de ansiedade e impaciência infantil, quando ficamos à espera de que aconteçam os mitos criados para alegrar inocentes corações infantis, de gente pequena que ainda não compreende que os nossos desejos nem sempre são possíveis e que nossos sonhos sempre estão mais adiante, num horizonte difícil de ser tocado, quase impossível de ser conquistado.

Mas, como disse, o tempo não pára. Quando nos damos conta, passou a adolescência, vivemos a idade adulta e enfrentamos a velhice.

E, agora, quando já se foi a inocência dos menores, já esmoreceu o ímpeto da adolescência; já terminou a safra dos frutos semeados pela pretensiosa sabedoria da maturidade, quando já nos vemos velhos e sem sonhos, somos conduzidos por essa inexorável roda viva do costume e nos descobrimos a embarcar na carruagem da ilusão para vivenciar a magia das festas de final de ano.

É um período curto, de despreocupação e de alegria por um ano terminado. E, de esperança, porque esta sempre se renova, diante do raiar de um novo tempo.

Agora, que o Papai Noel já se foi e, também, a ilusão dos fogos da virada, pés no chão é preciso. Vamos viver um ano de grandes dificuldades econômicas e de turbulência política. Portanto, não vai ser fácil e coragem é preciso.

Mesmo diante dos problemas que vamos enfrentar, desejo aos meus leitores um Novo Ano cheio de paz.

Escrito por João José Leal, 04/01/2017 às 09h33 | jjoseleal@gmail.com

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Fale Conosco - Anuncie neste site - Normas de Uso
© Desenvolvido por Pagina 3

Endereco: Rua 2448, 360 - Balneario Camboriu - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br