Jornal Página 3
Política

Prefeitura ainda não divulgou quem o substituirá 


Cidade

Proibição dos fogos barulhentos visa proteção de crianças, idosos e animais. 


Cidade

Vereadores e governo perderam a oportunidade de discutir com a comunidade e melhorar a proposta 


Educação


Cultura

Shows começam às 20h e a entrada é franca


Esportes

Uma nova frente fria passará por SC nesta semana


Esportes

O circuito mostrou que veio para ficar


Esportes

Desempenho não correspondeu e será avaliado em reunião


Política


Publicidade


Publicidade

Resort de Balneário Camboriú terá programação especial para crianças e adultos


publicidade

Dono da JBS depõe à PF e confirma teor de delação
Reprodução

LETÍCIA CASADO, RUBENS VALENTE E REYNALDO TUROLLO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal está tomando depoimentos de delatores da JBS e de investigados no inquérito que envolve o presidente Michel Temer com o objetivo de descobrir se ele sabia dos pagamentos para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lúcio Funaro.

Nesta sexta (16), a PF ouviu um dos donos da JBS, Joesley Batista. A reportagem apurou que ele confirmou o teor de sua delação premiada, que envolve o presidente Michel Temer (PMDB).

Os delegados já tinham ouvido os delatores Francisco de Assis, diretor jurídico do grupo, e Florisvaldo Caetano, ex-conselheiro fiscal da JBS.

A PF cruza os depoimentos para encontrar eventuais brechas e confirmar informações sobre outros implicados, como o ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Os investigadores apuram se Geddel repassava informações sobre a compra do silêncio de Funaro e Cunha ao presidente Temer.

Querem saber, por exemplo, qual o papel de Geddel no esquema: se ele perguntava aos funcionários da JBS e aos familiares do doleiro sobre pagamentos; se ele foi apontado representante de Temer junto à JBS, conforme Batista disse à PGR (Procuradoria-Geral da República); e se o presidente indicou seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, preso em Brasília, para substituir Geddel no relacionamento com a empresa.

A PF apura a participação dos irmãos Funaro nos pagamento. Quer saber como eles foram colocados em contato com a JBS e as razões para Roberta ter substituído Dante no recolhimento do dinheiro. Ela foi filmada recebendo mala com R$ 400 mil dentro de um carro e está em prisão domiciliar.

O próprio Lúcio Funaro já prestou depoimento no inquérito.

Os delegados também querem detalhes sobre pagamentos que Florisvaldo Caetano disse ter feito: a Altair Alves Pinto, emissário de Cunha, e ao coronel aposentado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, amigo de Temer, durante a campanha de 2014 como parte de um acordo entre Temer e Joesley.

A PF tem até segunda (19) para encerrar o inquérito, aberto em abril. Os delegados enviaram 82 perguntas ao presidente, que se recusou a responder. Temer e o Palácio do Planalto já negaram quaisquer irregularidades na relação com Joesley Batista.


Sexta, 16/6/2017 15:55.


publicidade






publicidade





Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br